quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Bota faz nova investida por Camilo, mas enfrenta concorrência de peso


Clube faz nova oferta salarial por meia da Chapecoense e ouve que Santos e Grêmio também demonstram interesse




Botafogo faz nova investida para tentar contar com Camilo
 para a temporada 2016 (Foto: Cleberson Silva/Chapecoense)
O Botafogo passou 2015 soberano na Série B. Mas agora, de volta à elite, encontra uma concorrência de peso para reforçar sua equipe. Na última segunda-feira, o Alvinegro fez uma nova proposta salarial para contratar Camilo, da Chapecoense. No entanto, para realizar esse objetivo, vai enfrentar Grêmio e Santos, clubes que também demonstram interesse no jogador, segundo comentários em General Severiano.


No início de novembro, o Botafogo entrou em contato com Francis Leonardo, representante de Camilo, para saber as condições de uma possível transferência. Ouviu que, apesar de o meia ter contrato até dezembro de 2016, não teria muitos problemas em se desligar da Chapecoense. No entanto, considerou alta a pedida salarial.


Depois de debater internamente o nome de Camilo, o Botafogo voltou à carga pelo jogador na última segunda-feira, apresentando outros valores. Assim, o clube mostra ainda não ter desistido do meia, embora busque alternativas. Uma delas é João Paulo, do Santa Cruz, que está quase acertado, mas é considerado uma aposta, já que tem 24 anos.


Camilo, de 29 anos, é visto como um nome importante para compor o elenco do Botafogo de 2016, uma vez que tem a experiência a seu favor. Além disso, o Alvinegro sabe que, pelo fato de o meia ser natural do Rio de Janeiro, vê com bons olhos a possibilidade de retornar e, principalmente, defender o clube de coração de seu pai.


O Botafogo buscou a contratação de Camilo em janeiro, quando formava o elenco para a Série B, mas o jogador havia acabado de renovar contrato com a Chapecoense. Na metade do ano houve uma nova investida, mas o meia não obteve a liberação. Agora, perto do fim da temporada, o Alvinegro voltou à carga pelo jogador.


Por Gustavo Rotstein Rio de Janeiro/GE