quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Ação judicial contra o Quilmes atrasa regularização de Carli pelo Botafogo


Clube argentino atribui demora no envio da documentação a processo de funcionário na Justiça. Com feriado pela frente, Alvinegro não conta com zagueiro contra Macaé




Carli segue treinando há um mês no Bota à espera
de poder estrear (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)
Primeiro reforço contratado pelo Botafogo para 2016, Joel Carli continua sem poder jogar pelo clube. A novela pela regularização do zagueiro argentino continua. Na semana passada, a CBF rejeitou o contrato apresentado pelo Alvinegro por falta de uma documentação comprovando que o Quilmes não vendeu nenhuma parte dos direitos do atleta a terceiros, necessária para tirar o Certificado Internacional de Transferência (CTI) - a Fifa vetou a participação de investidores em transações no final de 2014, e a confederação brasileira aderiu à norma em janeiro do ano passado. Segundo o GloboEsporte.com apurou, o motivo para o atraso do envio das pendências se deve à uma ação na Justiça comum da Argentina, movida por um funcionário do clube pedindo 50 mil pesos (pouco mais de R$ 14 mil), que impedia a instituição de contratar e vender jogadores.


O GloboEsporte.com tentou contato com o presidente em exercício no Quilmes, Andrés Meiszner, mas ainda não obteve retorno. À imprensa argentina, porém, o dirigente assegurou já ter resolvido a questão. O Botafogo segue aguardando a documentação, mas já nem conta com o zagueiro para a próxima partida do Campeonato Carioca, contra o Macaé, na Quarta-Feira de Cinzas - para tal, precisaria sanar todas as pendências até esta quinta-feira, pois a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) entra em recesso do carnaval na sexta. A tendência é que o defensor só esteja liberado para estrear na quarta rodada, dia 13, contra o Resende.


Enquanto isso, Carli segue treinando em General Severiano esperando uma resposta do Quilmes. O zagueiro está irritado com seu ex-clube e também não consegue respostas dos dirigentes. Como a transferência para o Botafogo foi feita sem empresários envolvidos, o defensor não conta com um agente para brigar por ele neste momento. Na última quinta-feira, oargentino chegou a ser testado como titular ao lado de Emerson e vive a expectativa para estreia. Assim como os torcedores, que depositam esperanças no zagueiro de 1,91m, principalmente depois de o time ter sofrido três gols de bola aérea em três jogos na temporada.


Dos demais reforços, quem também ainda precisa ser regularizado é Bruno Silva. Emprestado pela Ponte Preta à Chapecoense até o final do contrato, em dezembro de 2016, o volante acertou com o Botafogo e aguardava receber a documentação dos outros clubes envolvidos. Mas uma pendência, que seria financeira, entre a equipe paulista e a catarinense vem atrasando a liberação. O Alvinegro monitora a situação e está otimista em regularizar o jogador até quinta.


Por Thiago Lima/Rio de Janeiro/GE