terça-feira, 1 de março de 2016

De canhão para canhão, Juninho parabeniza Emerson: "Foi um golaço"


Especialista em cobranças de falta, ex-Botafogo exalta chute "muito difícil de acertar" e aprova sucessor: "Estou torcendo daqui do México para que faça mais como esse"






Assim que a bomba de Emerson entrou no ângulo de Martín Silva e garantiu o empate do Botafogo com o Vasco no último domingo, em São Januário (veja no vídeo acima), vários torcedores lembraram nas redes sociais de Juninho. O ex-zagueiro do clube de 2005 a 2007 e depois em 2009 era especialista em cobranças de falta com chutes fortes e ficou conhecido como "canhão de General Severiano" na época. Lá do México, onde defende o Tigres desde 2010, o defensor de 33 anos viu o golaço do jovem alvinegro, de 22, e se mostrou feliz por ainda ser lembrado pela torcida. Ele elogiou a pancada, a 109 km/h, e aprovou o garoto como sucessor.


- Foi um golaço, uma bola reta, muito difícil de acertar. É sempre gratificante quando algum torcedor ainda se lembra de mim mesmo depois de tanto tempo. Parabéns para o Emerson e estou torcendo daqui do México para que ele faça mais gols como esse - afirmou.

Estilos parecidos? Emerson marcou golaço de falta como costumava fazer Juninho pelo Botafogo (Foto: infoesporte)

Mesmo depois que saiu do Botafogo, em 2009, Juninho continua cobrando suas faltas e mostrando seu faro de gol. No México, é o cobrador oficial de pênaltis também e já balançou a rede 30 vezes em seis temporadas - em 2013, tornou-se o defensor com mais gols na história da liga local. O zagueiro, que deixou o Botafogo brigado com o ex-presidente Maurício Assumpção, ainda acompanha o Alvinegro, mesmo à distância.





Começando sua carreira agora, Emerson também tem nas cobranças de falta uma de suas armas. Desde as categorias de base do clube, o defensor costuma deixar a sua marca (veja no vídeo acima na vitória por 3 a 2 sobre o Flamengo, pela Taça Guanabara Juvenil de 2012) e já era elogiado pelo seu ex-técnico no sub-17, Anthoni Santoro, que vê no jovem uma "variedade no repertório". Além de chutes fortes, ele também sabe cobrar colocado.


Por Thiago Lima/Rio de Janeiro/GE