terça-feira, 22 de março de 2016

Marcelo se chateia com ausência em lista e diz querer jogar por Flu e Bota


Em entrevista exclusiva, lateral-esquerdo do Real Madrid tenta esquecer polêmica não convocação para a Seleção, exalta Zidane e ainda vê CR7 como melhor do mundo




Marcelo tem muitos motivos para comemorar no Real Madrid. O lateral-esquerdo brasileiro completou no fim de semana 350 jogos pelo clube espanhol, o qual defende desde 2007, e segue como jogador importante da equipe e muito querido pela torcida. Na seleção brasileira, no entanto, a situação dele não é a mesma. A não convocação para os duelos com Uruguai e Paraguai - nos dias 25 e 29 de março, pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2018 na Rússia - gerou polêmica, por sinal.


Ao justificar a ausência, o técnico Dunga disse que o departamento médico do Real Madrid foi contactado e teria avisado que Marcelo, que vinha de lesão, ainda não estava pronto. Mas o lateral não só voltou a atuar normalmente, como Zidane, treinador do clube, desmentiu Dunga. O jogador tenta deixar o episódio para trás, mas admite que houve chateação.


- Me chateou, sim. Mas agora não me afeta em nada. Já vi o que aconteceu. Esse tema não me preocupa mais, então não me afeta em nada - disse o camisa 12 do time merengue, que tratou a relação com Dunga como "normal". Assista ao vídeo acima.

Marcelo recebeu a reportagem no centro de treinamento do Real Madrid (Foto: Ivan Raupp)

Nesta entrevista exclusiva realizada na última sexta-feira em Valdebebas, área de Madri onde se situa o CT do Real, Marcelo também afirmou ter certeza de que Zidane será um dos melhores treinadores do mundo; apontou o amigo Cristiano Ronaldo como melhor jogador do planeta hoje, apesar da vitória de Messi na Bola de Ouro em janeiro; valorizou o Wolfsburg, rival do Real nas quartas de final da Liga dos Campeões; e esclareceu sua torcida dividida por Fluminense, que o revelou, e Botafogo, time de infância. Se voltasse ao Brasil, seria para qual dos dois?


- Se eu pudesse jogar nos dois, seria maneiro. Seria legal porque meu avô sempre foi botafoguense, minha família inteira também, e seu eu pudesse jogar no Botafogo seria legal. E no Fluminense também - declarou o lateral-esquerdo de 27 anos.


Veja a seguir a entrevista com Marcelo na íntegra:

GloboEsporte.com: Você parece estar muito adaptado a Madri e é ídolo da torcida. Pretende seguir muitos anos ainda no Real?
Marcelo: Sim, penso. Um dos meus objetivos é ficar aqui, tentar renovar meu contrato e continuar aqui pelo máximo de anos que puder.

Acho que seria difícil o Neymar, fazendo história no Barcelona, vir para o Real Madrid"
Marcelo, sobre constantes especulações envolvendo Neymar e o time merengue

Seu contrato atual vai até quando?
Agora vai até 2020.

Você foi revelado pelo Fluminense. Guarda um carinho especial pelo Tricolor?
Guardo um carinho, sim. Lá no Fluminense eles praticamente me deram tudo. Agradeço ao Fluminense e às categorias de base. Morei dois anos em Xerém, e minha base foi toda no Fluminense. Para mim foi muito bom, então agradeço a todos do Fluminense.

Há quem diga que você na infância era botafoguense. É isso mesmo?
Então (risos)... Foi até bom você me perguntar, porque eu nasci na praia de Botafogo. Eu morava no prédio Rajah, e ali era uma concentração da torcida do Botafogo. Cresci ali, joguei bola minha infância inteira ali, então tinha um carinho especial pelo Botafogo. Tenho até hoje um carinho especial. Hoje meu time é Real Madrid. Mas eu torço para o Botafogo, torço pelo Fluminense também, e tenho carinho pelos dois times.

Pensa em encerrar a carreira no Brasil?
Não pensei ainda onde vou encerrar minha carreira. Estou em uma fase ótima na minha vida, me sentindo muito bem, e não estou ainda pensando em encerrar.

Pergunto isso pelo seguinte: se você volta para o Brasil, é para o Fluminense ou para o Botafogo?
Não sei, não sei (risos). Se eu pudesse jogar nos dois, seria maneiro. Seria legal porque meu avô sempre foi botafoguense, minha família inteira também, e seu eu pudesse jogar no Botafogo seria legal. E no Fluminense também.

Marcelo recebe a camisa 350 das mãos do presidente do Real Madrid, Florentino Pérez (Foto: Reprodução / Instagram)

Agora falando de Real Madrid... Saiu no jornal espanhol Marca que o Zidane estaria preocupado com sua parte defensiva e querendo te colocar de forma fixa no meio-campo. É verdade? Teve essa conversa?
Isso é mais uma história que sai na imprensa. Não tem nada de mais. Quando a imprensa quer botar uma coisa, bota. Quando não quer, não bota. Mas não houve nenhum papo com o Zidane. Acho que ele está feliz com meu trabalho. E não teve nenhuma conversa.

O Daniel Alves, por exemplo, tem relação ruim com a imprensa espanhola. Ele tem bom rendimento no Barcelona, mas sempre é colocado na "barca" pelos jornais. Como é a sua relação? É difícil de lidar com a imprensa espanhola?

A imprensa tem o papel dela, que é falar mal quando você joga mal. E, se não vai com sua cara, vai te botar na barca. Eu não tenho problema com a imprensa, dou entrevista para todo mundo, sem nenhum problema. Entendo o trabalho da imprensa. É chato às vezes ler uma coisa sobre você que não é verdadeira. Algumas vezes eles botam mentiras, e isso acaba fazendo eles perderem credibilidade. Quando botam algumas mentiras, a gente prefere nem ler.

Como você avalia o trabalho do Zidane? Há quem critique, assim como há quem diga que ele será um dos melhores do mundo.
Eu vejo ele muito bem. É difícil pegar um Real Madrid no meio do ano e com muita crítica em cima, brigando para não ficar em terceiro ou quarto. É difícil, sim, mas acho que ele está fazendo um bom trabalho. Ainda tem o final da temporada para ver como a gente vai ficar, mas tenho certeza absoluta de que ele será um dos melhores treinadores do mundo.

É uma relação normal. Normal"
Marcelo, sobre relação com Dunga

O Real Madrid teve bons resultados recentemente, mas não nesta temporada, apesar de brigar pela Liga dos Campeões. A pressão, claro, é sempre muito grande. O que faltou para vocês?
É difícil. Acho que a gente não fez uma boa pré-temporada, por isso a gente acabou pagando agora, no meio da temporada. Mas estamos aí, vamos lutar até o final. Vamos pegar esses jogos do Campeonato Espanhol para preparar para os jogos da Champions e vamos ver.


Por que você acha que não houve uma boa pré-temporada?
Não, eu digo alguma coisa para... Porque exatamente não sei te dizer o que aconteceu. Mas, se for parar para pensar um pouco, de repente a pré-temporada não foi uma das melhores.

O Real Madrid enfrenta o Wolfsburg nas quartas de final da Champions. Segundo os analistas, era o adversário mais fácil do sorteio. Acha que foi realmente a melhor opção para o Real Madrid?
Não. Desde que a gente passou para as quartas, não tem mais time fraco. Todo time que pegarmos vai ser bravo. Tenho certeza de que vai ser jogo duro lá e aqui.

A imprensa espanhola especula muito sobre uma vinda do Neymar para o Real Madrid. Você, que é amigo, já brincou com ele sobre isso?
A gente brinca sobre outras coisas (risos). Sobre futebol a gente não conversa muito. Mas não sei. Acho que seria difícil o Neymar, fazendo história no Barcelona, vir para o Real Madrid. Acho que seria difícil.

Marcelo em ação pela seleção brasileira (Foto: Agência AFP)

Agora te pergunto sobre a polêmica com a CBF. O Dunga não te convocou agora porque, segundo ele, a CBF conversou com o departamento médico do Real Madrid e soube que você ainda não estava pronto. Mas o Zidane desmentiu isso depois, disse que ninguém entrou em contato. Enfim, gostaria que você esclarecesse: o que aconteceu?
Tudo que você falou (risos). Aconteceu isso. Sobre esse tema eu já falei, essa coisa da não convocação. Se o Zidane falou, se o doutor falou, isso já não me preocupa mais. Não tenho mais preocupação com isso. Meu foco agora é trabalhar e, se eu tiver que ir para a Seleção, vou. Se não tiver, não vou. Mas não estou preocupado com nada sobre esse tema. Nada.


Mas é uma situação que acaba chateando um pouco, né?
Me chateou, sim. Mas agora não me afeta em nada. Já vi o que aconteceu. Esse tema não me preocupa mais, então não me afeta em nada.

E como é sua relação com o Dunga? Tranquila?
É uma relação normal. Normal.

O Casemiro é um cara que saiu um pouco contestado do São Paulo e hoje está jogando muito bem aqui. Te surpreende esse crescimento dele?
Não, porque eu e todos aqui já sabíamos que ele ia ter condições de jogar no Real Madrid, que ia conseguir jogar bem e estar como está agora. A gente já sabia que ele poderia jogar bem no Real Madrid.

Para fechar, vamos falar do seu amigo Cristiano Ronaldo. O Messi ganhou neste ano o prêmio de melhor do mundo pela quinta vez. Mas, na sua opinião, qual dos dois é o melhor hoje?
Muita gente diz que falo isso só porque sou amigo do Cristiano, mas não. Continuo dizendo que o Cristiano é o melhor do mundo porque vejo ele trabalhar, vejo como ele se cuida, como ele trabalha fora do campo, vejo como é ambicioso para fazer as coisas dele. Então, para mim, o Cristiano é o melhor.

O lateral brasileiro e Cristiano Ronaldo são bons amigos (Foto: Reuters)

Por Ivan Raupp/Madri/GE