sexta-feira, 15 de abril de 2016

Ricardo esconde ataque do Botafogo e confirma volta do 4-4-2: "Alternativa"


Técnico alvinegro atribui mudança tática aos desfalques e despista sobre quem vai formar a dupla ofensiva com o retorno de Ribamar: "Aí só 45 minutos antes do jogo"





Ricardo vai mudar a formação do Botafogo e testar
 como alternativa (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)
As sextas-feiras no Botafogo geralmente são de definição de time e de entrevistas coletivas de Ricardo Gomes. Mas a primeira parte do dia ficou faltando na antevéspera do jogo contra o Boavista, pela última rodada da Taça Guanabara. O treino pela manhã em General Severiano foi rápido, apenas com trabalhos físicos. Só os reservas pegaram mais pesado em finalizações. O treinador justificou que já escolheu a equipe e que por isso priorizou a recuperação do elenco. Ele confirmou quase toda a escalação do coletivo da última quinta, porém, fez mistério em relação à dupla de ataque: quem sairá para a entrada de Ribamar, que volta sábado após período de treinos com a seleção brasileira sub-20 na Granja Comary.


- Aí, só 45 minutos antes do jogo. Sim (mesmo time), não há lesionados em relação ao treino de ontem, e teremos a chegada do Ribamar.


Ricardo não revelou o time inteiro, mas confirmou a volta do 4-4-2, esquema que utilizou no início da temporada, até perder espaço para a formação com três volantes. Mas com Fernandes e Airton no departamento médico, o comandante abriu mão da formação em que considera ter encontrado o equilíbrio no Botafogo e avaliou a troca de esquema como necessária. Rodrigo Lindoso e Bruno Silva serão os responsáveis pelo maior combate, Salgueiro é recuado para o meio de campo, e na frente entra mais um atacante ao lado de Ribamar.


Importante é que nós temos hoje um padrão. Temos que ter alternativas. Fizemos isso no último jogo. (...) Quando você perde dois, aí tem que mudar ali. É o caso do próximo jogo. Tem que ter jogadores que correspondam com a qualidade ofensiva e defensiva"
Ricardo Gomes, técnico do Botafogo


- Alternativa. Importante é que nós temos hoje um padrão. Temos que ter alternativas. Fizemos isso no último jogo. Dos três volantes, que são três jogadores de meio de campo, no caso seriam Airton, Bruno e Rodrigo (Lindoso) os titulares, o Bruno sempre foi de executar, o Rodrigo era meia... Então sem problemas na formação do meio de campo. Fernandes também fez isso ano passado comigo, era Rodrigo, Arão e Fernandes. Quando você perde dois, aí tem que mudar ali. É o caso do próximo jogo. Tem que ter jogadores que correspondam com a qualidade ofensiva e defensiva - disse o treinador, que comemorou a liberação do Maracanã para a final.


- Muda tudo. De motivação para os dois lados, qualidade do espetáculo. Estádio oferece, tem público maior. São dois jogos, né? Duas tardes com boas perspectivas. Queremos isso, melhor estádio, melhor jogo.


Com 11 pontos, o Botafogo entra na última rodada da Taça Guanabara sem chances de conquistar o título simbólico do turno, mas ainda pode terminar em segundo lugar e obter a vantagem do empate na semifinal do Campeonato Carioca. Para isso, o time precisa vencer o Boavista neste domingo, às 16h (de Brasília) em Bacaxá, e superar o perdedor do clássico entre Fluminense e Vasco no saldo de gols. O Alvinegro vai a campo com Jefferson, Luis Ricardo, Renan Fonseca, Emerson Silva e Diogo Barbosa; Rodrigo Lindoso, Bruno Silva, Gegê e Salgueiro; Neilton (Ribamar) e Luís Henrique.


Fonte: GE/Por Thiago Lima/Rio de Janeiro