segunda-feira, 25 de julho de 2016

Análise: porto seguro no Carioca, zaga do Bota vive instabilidade no Brasileiro


Menos vazada no estadual, defesa levou 11 gols nos últimos cinco jogos, e nem volta da dupla Carli e Emerson deu jeito. Rede foi estufada em todas as partidas sem Airton







"Temos que traduzir esse domínio em gols, o sistema defensivo não está suportando". As palavras são de Ricardo Gomes durante a entrevista coletiva logo após a derrota do Botafogo por 2 a 1 na Arena Condá, no último domingo (veja os melhores momentos no vídeo acima). O treinador, que foi jogador da posição e entende como poucos do assunto, se mostrou preocupado com o número de gols que o time vem sofrendo: foram 11 só nos últimos cinco jogos, contra Chapecoense, Flamengo, Santa Cruz e Atlético-MG - em meio à sequência, saiu ileso no 0 a 0 com o Coritiba. Mesmo a manutenção do esquema tático com três volantes e a volta da dupla de zaga titular, com Carli e Emerson, não foram suficientes para acabar com o momento de instabilidade pelo qual o setor atravessa. A defesa menos vazada do Carioca ao lado do Vasco, com a rede estufada apenas nove vezes em 18 partidas, está entre as piores do Campeonato Brasileiro com 26 gols sofridos, um atrás de Chapecoense, Sport, Cruzeiro e América-MG.

Dupla do Carioca, Emerson e Carli atuaram juntos pela primeira vez na Série A (Foto: Giba Pace Thomaz/Chapecoense)


Desempenho por duplas:

- Renan Fonseca & Emerson:
minutos jogados: 286
gols sofridos: 4
média: 1 gol a cada 71,5 min

- Emerson & Emerson Silva
minutos jogados: 413
gols sofridos: 6
média: 1 gol a cada 68,8 min

- Carli & Emerson Silva
minutos jogados: 62
gols sofridos: 1
média: 1 gol a cada 62 min

- Renan Fonseca & Emerson Silva minutos jogados: 673
gols sofridos: 13
média: 1 gol a cada 51,7 min

- Carli & Emerson
minutos jogados: 98
gols sofridos: 2
média: 1 gol a cada 49 min


Entre as explicações para a instabilidade defensiva alvinegra está o rodízio de zagueiros no setor. Por causa de lesões, Carli e Emerson foram desfalques no início da competição, e até a 16ª rodada cinco duplas já foram utilizadas. A que mais jogou foi Renan Fonseca e Emerson Silva, com 673 minutos, que dá mais do que sete partidas. Mas a melhor média pertence a Renan Fonseca e Emerson, com um gol sofrido a cada 71,5 minutos (veja no quadro ao lado).


Outra justificativa é a ausência de Airton. É notória a maior confiança que passa o volante, que estava suspenso pelo terceiro cartão amarelo contra a Chapecoense, quando está em campo. Com ele no gramado, o Botafogo só foi ser vazado no Brasileiro no 3 a 3 com o Flamengo, na rodada retrasada. Coincidência ou não, sem o jogador o Alvinegro foi vazado em todas as partidas. Fernandes, Lindoso e Bruno Silva não tem tanto poder de marcação quanto o do companheiro.


Também contribui para o rendimento do setor a irregularidade de Sidão. O goleiro, que vem sendo o substituto do lesionado Jefferson e ganhou a posição de Helton Leite com grandes defesas contra Internacional, Corinthians, Coritiba e Atlético-MG, passou a ser contestado por torcedores nas redes sociais após os últimos jogos. Contra o Flamengo, falhou no gol de Jorge. Já diante da Chapecoense, foi criticado por ter feito golpe de vista no gol de Hyoran, e no de Lucas Gomes por ter saído mal.

Emerson Silva e Renan Fonseca foram dupla que mais jogou no Brasileiro: 673 min (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

Os jogadores se reapresentam na tarde desta segunda-feira em General Severiano. A expectativa é de que Jefferson, se recuperando de uma cirurgia no braço esquerdo, retome os trabalhos com o grupo ao longo da semana, mas ele só irá retornar aos jogos na primeira quinzena de agosto. Com Airton de volta e todos os zagueiros à disposição, Ricardo Gomes tentará reencontrar o equilíbrio defensivo no Brasileirão. Antes, porém, o Alvinegro decidirá sua vida na Copa do Brasil ao receber o Bragantino nesta quarta-feira, às 19h30 (de Brasília) na Arena Botafogo. Como empatou por 2 a 2 no jogo de ida, a equipe pode ficar no 0 a 0 ou até 1 a 1 para carimbar uma vaga nas oitavas de final do torneio mata-mata.


Fonte: GE/Por Thiago LimaRio de Janeiro