terça-feira, 12 de julho de 2016

Luís Henrique se mantém sereno com fase no Botafogo: "Não vou me abater"


Um ano após estreia avassaladora no profissional, jovem de 18 anos perde espaço. Mãe ouve interesse do Roma. Atacante pode assinar pré-contrato em dezembro






Há um ano Luís Henrique estreava como um furacão. Aos 17, em seu primeiro jogo como profissional, marcou dois gols e foi o protagonista da goleada por 5 a 0 sobre o Sampaio Corrêa, na Série B. Atuação que lhe rendeu a camisa 9, a titularidade e gerou grande expectativa entre torcedores do Botafogo. Passados 12 meses, no entanto, a situação é diferente. Recuperado de lesão muscular que o afastou um mês dos gramados, o jovem perdeu espaço e pouco tem sido visto em campo. Na linha de preferências de Ricardo Gomes, Luís está atrás de Sassá, Neilton, Rodrigo Pimpão e até Vinícius Tanque, recentemente reintegrado ao grupo, como se viu na última partida, no empate com o Coritiba. Ribamar, negociado, e Anderson Aquino, atualmente fora dos planos, também vinham recebendo mais oportunidades.

Não posso desanimar. É claro que queria ter mais chances e uma sequência de partidas. Mas não posso ficar lamentando. Da mesma forma que não me empolguei no ano passado, com minha ascensão aos profissionais depois da artilharia na Copa do Brasil Sub 17, não vou me abater por não estar jogando com a frequência que queria"
Luís Henrique, atacante do Botafogo


Os números compravam a perda de espaço. Aproveitado em quase toda a Série B após a estreia em julho passado - ficou fora apenas da reta final por conta do Mundial sub-17 -, Luís Henrique esteve em campo em apenas 20 dos 37 jogos do Botafogo em 2016. Em somente 11 deles começou como titular. O atacante marcou três gols na temporada.

- Eu sigo trabalhando forte nos treinos e não posso desanimar. É claro que queria ter mais chances e uma sequência de partidas. Mas não posso ficar lamentando. Da mesma forma que não me empolguei no ano passado, com minha ascensão aos profissionais depois da artilharia na Copa do Brasil Sub 17, não vou me abater por não estar jogando com a frequência que queria neste momento. São coisas do futebol e temos de conviver e trabalhar para melhorar - disse Luís Henrique, em tom sereno.


Internamente, 2016 era apontado como o ano da afirmação de Luís Henrique. O jovem começou a temporada como titular, mas perdeu a posição para Ribamar no início da Taça Guanabara.


Luís Henrique disputou 11 jogos como titular em
 2016. Mãe do atacante esteve na Europa e ouviu
 o interesse do Roma (Foto: Vitor Silva / SSpress)
Outra questão diz respeito ao futuro da joia. Com o sucesso meteórico em seus primeiros jogos, Luís Henrique renovou contrato nas primeiras semanas como profissional, recebeu aumento e sua multa rescisória passou a valer R$ 60 milhões. Na época, no entanto, pelo fato de o garoto ainda ter 17 anos, o Botafogo não conseguiu estender o vínculo, que permanece até maio de 2017. O clube carioca tem 90% dos direitos econômicos do atleta. A partir de dezembro, Luís estará livre para assinar pré-contrato com qualquer clube e poderá sair no próximo ano sem render qualquer centavo ao Botafogo. Até o momento, houve apenas conversas preliminares sobre renovação.

Luís Henrique sempre deixou clara sua intenção de se afirmar no Botafogo antes de levar a carreira para a Europa. Desde cedo, até pelo sucesso nas categorias de base – foi artilheiro da Copa do Brasil sub-17 com 14 gols e participou do Mundial da categoria pela Seleção -, ele desperta o interesse do futebol europeu, especialmente da Itália. No mês passado, Tanara Farinhas, mãe e empresária do atleta, viajou à Europa e ouviu de representantes do Roma o interesse do clube da capital em contar com o atacante brasileiro em um futuro breve. Como o contrato com o Botafogo acaba em maio, os italianos não têm pressa para contar com a promessa de 18 anos.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima/Rio de Janeiro