terça-feira, 2 de agosto de 2016

Exemplo de Luís Henrique faz Bota adotar cautela com joias do sub-20


Marcelo e Matheus Fernandes serão integrados definitivamente após o Brasileiro da categoria. Renan Gorne e Bochecha terão avaliação final na pré-temporada 2017




Quem acompanha a base do Botafogo de perto conhece o potencial da garotada do sub-20. Campeões da OPG e da Taça Guanabara (invictos), finalistas do Carioca e semifinalistas do Campeonato Brasileiro, os jovens acumulam conquistas e sonham com uma chance no elenco profissional. Alguns nomes mais badalados, como Renan Gorne e Gustavo Bochecha, já estão na boca da torcida, mas o clube, por ora, adota cautela. 
 
Gorne e Bochecha estão sendo observados e devem subir para em 2017 (Fotos: Vitor Silva/SSpress/Botafogo)

O Botafogo não quer queimar etapas e freia a empolgação pela garotada. O caso de Luís Henrique virou exemplo. O jovem, que subiu aos 17 anos e logo tornou-se titular em 2015, perdeu espaço nesta temporada e hoje está no fim da fila com Ricardo Gomes. A situação gerou uma saia-justa e complicou a renovação do atacante. O treinador, inclusive, lamentou, pois acredita que o longo período sem jogos e os poucos minutos em campo no Campeonato Brasileiro estão atrapalhando a formação de Luís que tem apenas 18 anos.

- O Luís é um jogador muito jovem. Por falta de alternativas subiu muito cedo. Quando cheguei ao Botafogo, ele tinha 17 anos e era titular. O time tinha oito jogos e dois gols. Como colocar essa pressão num garoto de 17 anos? Num time médio até dá, mas no Botafogo é difícil. Acho que ele subiu muito cedo, mas não vou dizer que queimou etapas. Tem qualidade. Mas nas ultimas vezes que foi utilizado não foi bem. Vamos conversar – lamentou Ricardo Gomes.

Já falei “n” vezes sobre a questão da pós-formação. Você não pode trazer o garoto e deixá-lo na geladeira por dois ou três meses. Outra coisa é a situação do Botafogo. Não dá para lançar um garoto com o time brigando para sair do Z-4. É complicado. O melhor é esperar
Ricardo Gomes


Como está disputando em duas frentes, envolvido na decisão do Carioca contra o Flamengo e na semifinal do Brasileiro sub-20, diante do Coritiba, o clube não tem pressa. Após os torneios, dois nomes serão integrados definitivamente ao elenco profissional: o zagueiro Marcelo Banevenuto e o volante Matheus Fernandes. Os outros, porém, terão de esperar um pouco mais.

Dois anos mais velho que Luís Henrique, Renan Gorne talvez seja o nome que gere mais expectativa do time sub-20. O atacante, de 20 anos, já marcou 25 vezes na temporada: 20 no Carioca (é artilheiro da competição) e cinco no Brasileiro. Neste ano, Gorne participou de alguns treinos do elenco profissional e foi relacionado para as partidas contra Coruripe e Atlético-PR. O meia Gustavo Bochecha é outro jogador que já teve chance de treinar entre os profissionais e ser relacionado, mas ainda não ganhou oportunidades de jogar. A expectativa é que os dois subam para o Campeonato Carioca de 2017.


– O Marcelo e o Matheus Fernandes já têm contrato profissional e vão subir depois do Brasileiro sub-20. Por estarmos envolvidos em competições de um nível importante, achamos melhor eles jogarem para não perderem ritmo de jogo – explicou o coordenador das categorias de base do Botafogo, Manoel Renha.


Segundo Renha, os casos do Renan Gorne e do Gustavo Bochecha são diferentes. Os dois estão em processos de avaliação, com boas possibilidades, mas ainda não está certo que estarão no profissional a partir do próximo ano.


– Eles estão sendo observados para uma possível participação na pré-temporada de 2017, que seria a fase final de avaliação. Ambos têm muito potencial. Esse é um processo que passa pela avaliação na base, dos auxiliares do elenco profissional, mas a palavra final é do Ricardo Gomes. É claro que havendo a possibilidade, ele pode puxar a qualquer momento. Mas agora acredito que o elenco profissional tenha até mais nomes do que ele gostaria de trabalhar. Essa integração com a base melhorou bastante desde a chegada do Ricardo ao Botafogo. As coisas agora estão bem mais estruturadas e sendo realizadas com calma – completou.

Marcelo e Matheus serão integrados após o Brasileiro sub-20 (Fotos: Vitor Silva/SSpress / Botafogo)


Ricardo Gomes, por sua vez, reforça as palavras de Renha e prega calma quanto ao aproveitamento da garotada.

– Neste ano, o Marcelo, o Gustavo, o Matheus Fernandes e o Gorne já trabalharam comigo. É a mesma coisa do Luís Henrique. Não dá para trazer o garoto para colocar no banco. Não tenho nenhum problema em usar a garotada. Se precisar, vamos usar. A formação do Botafogo é muito boa. Mas você não pode trazer o garoto e deixá-lo na geladeira por dois ou três meses. Outra coisa é a situação do Botafogo. Não dá para lançar um garoto com o time brigando para sair do Z-4. É complicado. O melhor é esperar um pouco – disse o treinador.


No início da temporada, o atacante Ribamar, o meia Leandrinho, o goleiro Saulo e o lateral Marcinho foram incorporados ao elenco profissional. O primeiro teve chances e foi negociado por R$ 9 milhões com o Munique 1860. Oportunidades também não faltaram a Leandrinho, que vem recebendo espaço, inclusive, como titular. Marcinho pouco jogou e Saulo ainda não teve chance no time principal.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Rio de Janeiro