domingo, 9 de outubro de 2016

Jair exalta risco e revela insistência por Bruno Silva: "Não estava para viajar"


Técnico do Botafogo conta que volante quase não jogou por causa de incômodo na coxa, mas fez teste no vestiário, foi a campo e fez o gol da vitória sobre o Figueirense








O herói do Botafogo na vitória por 1 a 0 sobre o Figueirense quase não foi a campo neste domingo. Após o jogo, o técnico Jair Ventura revelou que Bruno Silva sequer iria viajar, devido a um incômodo no músculo posterior da coxa, mas a insistência do treinador prevaleceu. A premonição estava certa: foi do volante, que teve de fazer teste no vestiário, o gol do triunfo que deixa o Glorioso a um ponto do G-6 do Campeonato Brasileiro(confira no vídeo acima).


Jair Ventura durante a partida contra
 o Figueirense (Foto: GIL GUZZO/
ELEVEN/ESTADÃO CONTEÚDO)
- O Bruno, o que esse cara corre. Ele não estava nem para viajar, tinha incômodo no posterior da coxa. Falou: "Professor, não dá para mim.". Falei: "Vamos, a gente faz o teste no vestiário." Ele se sentiu bem, foi e acabou ajudando a gente com essa vitória importantíssima fora de casa - contou o treinador.


Para Jair Ventura, o Botafogo foi premiado pelo risco que assumiu no segundo tempo. Após uma etapa inicial muito truncada, os times se abriram e criaram mais chances de gol. O treinador apostou nisso e saiu vitorioso.


- Jogo de poucas oportunidades, truncado, de muita disputa. O segundo tempo foi mais aberto, as linhas mais distantes, criamos muitas situações pelo meio, para os dois lados. Até o auxiliar falou: "Jair, ficou aberto." Falei: "Está bom. Na vida tem que correr risco." Fomos coroados faltando dois minutos. Vamos trabalhar jogo a jogo, com os pés no chão - completou o treinador.


Confira outros tópicos da entrevista coletiva:

Ataque

No sistema de jogo do Botafogo hoje eu cobro muito de todos os atacantes, é um desgaste muito grande e por vezes eles não conseguem suportar um jogo inteiro. Não gostam de sair, mas tenho que pensar no Botafogo. A ideia foi colocar dois jogadores descansados para ganhar força ofensiva, eles entraram muito bem e surtiram efeito. É muito gratificante quando a gente usa o banco, sempre falo que todos são importantes, quem entra pode ser decisivo como foi hoje. O Dudu deu um passe longo, achou o Pimpão que deu o passe. Foi um gol com a participação de quase todos que entraram. Mostra a força do grupo. Vocês nunca vão me ver após uma derrota falar que o responsável foi um ou dois, a mesma coisa quando ganha.

Dois jogos em casa

Tenho certeza que essa vitória fora traz a nossa torcida para esse jogo em casa. A torcida vem nos ajudando bastante, mas aquela obrigação de ganhar todos os jogos é difícil. Jogamos contra o lanterna e falaram isso, é até falta de respeito, do outro lado há profissionais como os que estão aqui. Todos os jogos são difíceis. Lógico que jogando em casa com a torcida empurrando ajuda bastante.

Visitante indigesto

É trabalho, a gente entra em cada partida do Botafogo com uma estratégia definida. Não é a mesma, vai a cada jogo. Quando o resultado acontece, a estratégia deu certo. Mas contra o Atlético-PR, por exemplo, jogamos muito bem, até o treinador adversário falou que não merecíamos perder, mesmo assim as pessoas criticam. Mas isso faz parte do futebol. A gente fica feliz por ter dado certo hoje.

Já pode falar em Libertadores?

Ainda não, falta mais uma vitória.

Papo no intervalo

A gente conversou muito, os pontos que nós tínhamos que melhorar, cabe aos treinador achar um buraco (na defesa adversária). Fomos efetivos nas poucas oportunidades. Foi um jogo muito truncado, e todos agora vão ser assim nesta reta final.

Sassá titular na quarta?

Vamos estudar, ver se ele está 100%. Eu trabalho com todo departamento médico do Botafogo, fisiologia... Vamos estudar a real forma dos Sassá. Espero que sim (esteja em condições de iniciar), sempre bom poder contar com todos.

Festa da torcida

Foi maravilhosa a recepção que tivemos hoje aqui. Torcida gritando, apoiando, parecia que estávamos jogando em casa. O Botafogo é um clube gigante, com torcida no mundo inteiro, e ter uma recepção dessa dá um gás a mais, é muito gostoso. Aproveito para convocar toda a torcida para a nossa Arena, nossa casa, teremos um jogo dificílimo e ela vai ser o nosso 12º jogador. Vamos jogar juntos.


Fonte: GE/Por Thiago Lima/Florianópolis, Santa Catarina