quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Airton se vê livre da fama de violento, mas... "Árbitros ainda me perseguem"


Destaque do Botafogo em 2016, volante mostra futebol técnico, passa a sofrer mais faltas do que cometer e clama aos juízes: "Espero que me olhem com outros olhos"



O autor de um pisão na cabeça de Alexandre Pato, em 2014, é o mesmo que aplicou um chapéu em Willian Arão, em 2016. As pancadas deram lugar à técnica, e Airton se transformou em um dos principais nomes do Botafogo na surpreendente campanha na temporada, que pode ser coroada com uma vaga na próxima Taça Libertadores. O tímido volante de 26 anos, hoje valorizado e cobiçado no mercado, concedeu uma rara entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira, após o treino em General Severiano. Em suas palavras, acha que já conseguiu deixar a fama de "jogador violento" (lembre aqui alguns lances que ficaram marcados em sua carreira) para trás, menos para alguns árbitros. A eles, fez um apelo.

– O Cacá Azeredo (vice-presidente de futebol) e o Jair (Ventura) brigaram por uma renovação minha. O professor Ricardo (Gomes) na pré-temporada chegou a conversar comigo, falou que eu tinha qualidade, não precisava recorrer às vezes a certos tipo de lance. Tinha hora ali que eu perdia a cabeça, eu pude colocar ela no lugar e hoje estar fazendo um bom campeonato. Acho que sim (apagou a sua imagem de violento), mas tem alguns árbitros ainda que me perseguem. Tem jogos que sou o jogador que sofre mais faltas do time, aí eu faço uma falta que não é violenta, falta simples, e o árbitro já vem com amarelo. Acho que essa minha imagem já ficou para trás, espero que os árbitros me olhem com outros olhos – pediu.


E Airton tem fundamentos para defender sua tese: se nas temporadas passadas ele era muito faltoso, no atual Campeonato Brasileiro por exemplo ele tem apenas 34 infrações em 17 partidas, média de duas por rodada. E é o segundo do time que mais sofreu faltas, atrás apenas de Neilton, e o 14º mais "perseguido" da competição, com 55 infrações recebidas. Em compensação, o número de cartões segue alto: são 14 amarelos ao todo em 2016, ficando atrás no elenco só de Bruno Silva, com 23 punições.

Airton é o 14º jogador que mais sofreu faltas no Brasileirão: foram 55 em 17 jogos (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

Há três anos no Botafogo, Airton ainda não conseguiu desencantar pelo clube, mas ele se mostra tranquilo quanto ao jejum e sabe que seu papel, e especialidade, é marcar. O volante, que considera Conca como o jogador mais difícil que já marcou, projeta o duelo com Diego, camisa 10 do Flamengo, neste sábado no Maracanã, mas veta qualquer tipo de marcação especial.

– Foi o Conca (mais difícil de marcar) porque é um jogador de muita habilidade, movimenta muito. Para a gente, que é volante, é muito difícil marcar jogadores de criatividade, às vezes complica um pouco. (...) Não só o Diego, mas todo o time do Flamengo tem bastante qualidade, a gente não vai fazer marcação diferente do que já vem fazendo.


Airton tem mais um ano de contrato com o Botafogo, mas vem recebendo diversas sondagens neste fim de temporada. Um dos clubes interessados em contratar o volante é o São Paulo, dirigido pelo Ricardo Gomes, ex-técnico do jogador em General Severiano. Com multa rescisória de R$ 40 milhões, o Alvinegro se mostra tranquilo, e o atleta também.


– Estou tranquilo. Fico feliz de receber algumas sondagens, mas estou focado. Tenho contrato até o fim de 2017 e espero cumprir esse contrato – afirmou.

Fonte: GE/Por Thiago Lima/Rio de Janeiro