domingo, 11 de junho de 2017

Jair lamenta empate e falta de opções no banco: "Sei quem vai pagar a conta"


Com peças experientes no departamento médico, como Camilo, Emerson Silva e Airton, treinador prevê sequência dos jogos com garotos









Melhores momentos: Botafogo 2 x 2 Coritiba pela 6ª rodada do Brasileirão 2017


O Botafogo está "no limite". Pelo menos assim enxerga Jair Ventura. Neste domingo, o treinador foi obrigado a recorrer aos garotos do elenco no empate em 2 a 2 contra o Coritiba, no Estádio Nilton Santos, pela carência de peças experientes à disposição no banco de reservas. Com jogadores importantes no departamento médico (casos de Airton, Camilo e Victor Luis), ele acabou, no segundo tempo, sacando Roger, única referência ofensiva relacionada para a partida.

O Botafogo está "no limite". Pelo menos assim enxerga Jair Ventura. Neste domingo, o treinador foi obrigado a recorrer aos garotos do elenco no empate em 2 a 2 contra o Coritiba, no Estádio Nilton Santos, pela carência de peças experientes à disposição no banco de reservas. Com jogadores importantes no departamento médico (casos de Airton, Camilo e Victor Luis), ele acabou, no segundo tempo, sacando Roger, única referência ofensiva relacionada para a partida.

- Estamos chegando na parte mais importantes com menos jogadores. No momento mais decisivo estamos com menos jogadores. Eu tinha Sassá e Joel e hoje só tenho o Roger. A conta vai chegar. Eu sei quem vai pagar essa conta, sou eu. Quando aceitei o desafio eu sabia. Vamos ver até aonde a gente consegue.

Sem alternativas no ataque, Renan Gorne ganhou oportunidade na vaga de Roger na segunda etapa. Além dele, muito outros foram relacionados. E a situação, segundo Jair, vai se repetir enquanto os jogadores com mais bagagem não estiverem em condições de jogo e não chegarem reforços para o elenco.

- Eu tinha 11 meninos relacionados. Se eu tivesse o Alecsandro na reserva o colocaria, mas ele joga com a camisa do Coritiba. Roger é o nosso único atacante e resolvi preservá-lo. Ele corre, cansa e optei por isso. Não posso ficar 90 minutos sem fazer uma substituição. Enquanto não tivermos nossos jogadores mais experientes em condições, vou colocar os meninos.

Os primeiros pontos perdidos pelo Botafogo em casa no Brasileirão não agradaram ao treinador. Jair destacou a necessidade de vitórias no Nilton Santos e aproveitou para elogiar a equipe do Coritiba.

- Vitória em casa é obrigação. Mais uma vez paramos no final. Nós criamos, lutamos, tivemos uma chance clara com o Montillo... Mas não fizemos. O Coritiba é uma equipe muito difícil e tem jogadores leves para o fim da partida

Confira outros trechos da coletiva:

Arbitragem
- Vejo os treinadores mais experientes falando de arbitragem, mas ainda não vou falar. Não sei até quando, mas vou seguir assim.


Oportunidades aos jogadores
- Tive a minha chance contra o São Paulo no Morumbi e agarrei. Todos vão ter oportunidades. O que eu tiver de jogadores vou usar. Não posso tirar um cara do departamento médico para jogar. Quem for mal vai para o final da fila


Bastidores do Botafogo
- Vocês não sabem o que passa por trás do elenco. O avô do João Paulo, por exemplo, faleceu nesta sexta-feira e eu cheguei a o liberar da concentração, mas ele fez questão de jogar. Mérito para esses jogadores que são muito profissionais.



João Paulo durante empate entre Botafogo e Coritiba (Foto: André Durão/GloboEsporte.com)


Montillo

- O Montillo precisa de um ritmo melhor ainda. Ficou dois meses parado, veio da China e vamos com calma. Ainda não é o momento de ser titular. Se estiver bem fisicamente, não precisa de apresentações. Achei que o Coritiba cansou no segundo tempo e não conseguimos o gol. Prefiro usá-lo no final.


Dupla Camilo-Montillo

- Preciso de pelo menos um. Se tivermos os dois (Camilo e Montillo) serão titulares. Abro espaço para os dois, pode ficar tranquilo.


Fonte: GE/Por Felippe Costa, Rio de Janeiro