terça-feira, 12 de maio de 2015

'Geração de ouro' do Bota fracassou na Europa. E tenta recomeço no Brasil



Adriano Vizoni/Folhapress
Após longos anos sem revelar qualquer jogador na base, o Botafogo teve uma geração na qual muitos jovens foram aproveitados com sucesso no time principal. Todos foram titulares e o assédio foi inevitável. Vitinho, Dória, Jadson e Gabriel, com exceção do último, foram contratados por times europeus, mas decepcionaram e tentam recomeço no Brasil. Mas bem longe do Alvinegro.

O mais badalado do quarteto foi Vitinho, que logo impressionou Seedorf com seu talento. O jovem atacante fez gols nas oportunidades que teve e logo passou a ser titular na equipe do então técnico Oswaldo de Oliveira, em 2013. Não demorou para o CSKA apresentar grande quantia de euros e levá-lo para a Rússia. O problema é que a vida do jogador em Moscou não foi como ele esperou.

Muito frio e poucas oportunidades. Quando esteve em campo, não fez valer o investimento feito para tirá-lo do Botafogo. A decepção era grande, mas o ano de 2014 ainda serviu de aposta para o CSKA que não colheu os frutos esperados. Tanto que a diretoria decidiu emprestar Vitinho para o Internacional, que divide o salário do jogador com os russos.

O problema é que o recomeço de Vitinho no Brasil também não tem sido da maneira como os fãs esperavam. Após um início arrasador, o jovem atacante caiu de produção e às vezes tem até ficado de fora do banco de reservas. Titular do time misto na estreia do Brasileiro, ele foi um dos piores em campo na derrota por 3 a 0 para o Atlético-PR.

Quem também brilhou no Botafogo e se arriscou sem sucesso na Europa foi Dória. Contratado pelo Olympique de Marselha-FRA, o zagueiro se viu em uma guerra fria entre o presidente Vincent Labruneb e o técnico Marcelo Bielsa. O dirigente tratou da contratação pessoalmente e não perguntou a opinião do treinador, investindo um bom dinheiro no brasileiro.

Insatisfeito com a contratação, Bielsa não escalou Dória para as partidas. O zagueiro ficou na geladeira, sem oportunidades até que foi negociado com o São Paulo, durante o Campeonato Paulista. Titular ao lado de Rafael Tolói, o defensor demorou a engrenar no clube por conta de duas lesões (uma em cada tornozelo). Após cinco semanas no departamento médico, retomou vaga na equipe e agrada diretoria e comissão técnica.

A situação de Dória, no entanto, é curiosa. Ele tem contrato de empréstimo até 30 de junho, o que impede a participação em uma possível semifinal de Libertadores. O São Paulo não pensa em perder o jogador caso avance até esse ponto da competição, mas sabe que terá uma dura missão pela frente para ter o defensor à disposição.

O primeiro do grupo a ser negociado foi Jadson. O jogador foi vendido já no início de 2013 para a Udinese-ITA. Sem sequer atuar pelos profissionais, ele praticamente mantinha a forma no clube italiano até despertar o interesse do Atlético-PR para a disputa do Brasileiro. Mal chegou à nova casa, o ex-botafoguense já é titular do Rubro-negro.

Gabriel, por sua vez, foi o único que não se transferiu para algum clube da Europa, mas não foi por falta de oportunidade. O volante acumulava sondagens de clubes da Itália, Portugal e até Alemanha. Ele, no entanto, preferia se estabilizar no Brasil antes da transferência. Tal atitude o deixou com moral junto à torcida do Botafogo.

Mas essa moral só durou até o rebaixamento, na temporada passada. O amor ao Botafogo que frequentemente aparecia nas entrevistas sumiu com a queda. Na Justiça, ele se desvencilhou do Alvinegro e transferiu-se para o Palmeiras, onde é titular desde o primeiro jogo da temporada.

Bernardo Gentile
Do UOL, no Rio de Janeiro