terça-feira, 5 de maio de 2015

Presidente diz que Bota precisa de oito anos para sair da crise e faz alerta


Carlos Eduardo Pereira diz que clube pode entrar em processo de "apequenamento" difícil de revertar caso não garanta acesso à Série A do Brasileiro neste ano



*Veja o vídeo: http://globotv.globo.com/sportv/redacao-sportv/v/presidente-do-botafogo-revela-quadro-ruim-das-financas-do-clube/4156504/


Passado o Campeonato Carioca, no qual terminou como vice-campeão, o Botafogo volta as atenções para a competição tratada como prioridade do ano: a Série B do Brasileiro.A preocupação com o acesso é tanta que o presidente Carlos Eduardo Pereira faz uma previsão desastrosa caso o Glorioso não consiga o objetivo, tratado como fundamental também para a vida financeira do clube, que tem hoje a maior dívida do futebol brasileiro - fechou 2014 com déficit de R$ 174,8 milhões. A permanência na segunda divisão, segundo ele, poderia trazer consequências sérias (assista ao vídeo acima).

- Temos três de gestão agora, acho que nesses três não, mais três as coisas podem começar a melhorar, acho que de uns sete a oito anos a gente começa a ter um quadro mais claro (...) Felizmente a gente alcançou esse primeiro bom resultado no Campeonato Carioca e, em paralelo, conseguimos fazer as restrições econômico-financeira, apostando que o caminho da recuperação esportiva nos reconduza à série A porque se fracassarmos nessa missão da Série A arrisco dizer que o Botafogo entra num processo de apequenamento difícil de ser revertido. Não tenho a menor dúvida de que tem que ser esse ano e nosso trabalho está todo voltado para isso - afirmou.

Na entrevista, concedida ao programa Camarote, do Premiere, o presidente botafoguense voltou a criticar a contratação de Seedorf, em 2012, tratada como dispensável, pelo alto custo, e explicou de que maneira o clube tem trabalhado para, aos poucos, recuperar a saúde financeira.

- A gente tinha dois caminhos a escolher, a recuperação esportiva como forma de alavancar a recuperação econômico-financeira mais rápido, ou a recuperação econômico-financeira como forma de num longo prazo atingir a recuperação esportiva. Optamos por arriscar uma recuperação esportiva como forma de alavancar a outra, mas isso é um caminho difícil porque, ao mesmo tempo que você faz um orçamento restrito, tem que atingir resultados - disse.

Presidente do Botafogo vê cenário complicado para o Botafogo caso não consiga o acesso (Foto: Reprodução/SporTV)
Convidado do "Redação SporTV", que exibiu trechos da entrevista, o jornalista Roberto Avallone lamentou a situação do Alvinegro e disse torcer para que o Botafogo não siga o mesmo caminho que outros clubes cariocas que foram grandes no passado e não conseguiram se manter no topo.


- O futebol carioca tem exemplos terríveis, que espero que o Botafogo não siga porque sempre foi um dos maiores clubes do Brasil. Que fim levou o América, o Bangu? O futebol carioca é pródigo nisso, acabou o América, o Bangu, além de outros menores. Torço sinceramente para que o Botafogo se recupere, mas oito anos (para se recuperar financeiramente) é dose - considerou.

O Botafogo estreia na Série B do Brasileiro no próximo sábado, quando enfrenta o Paysandu, às 21h, no Mangueirão. A entrevista completa do presidente vai ao ar antes da transmissão do jogo pelo Premiere.

Por SporTV.comRio de Janeiro/GE