terça-feira, 28 de julho de 2015

Jair Ventura espera invencibilidade na despedida: "Adoro desafios"


Antes de passar o bastão a Ricardo Gomes, interino comanda Botafogo contra o Criciúma nesta terça-feira e celebra resultados




Jair Ventura fará seu último jogo como técnico
 interino do Botafogo nesta terça-feira, contra o Criciúma
 (Foto: Vitor Silva / SSPress)
Jair Ventura completa nesta terça-feira seu quarto jogo como treinador de uma equipe profissional - o terceiro consecutivo em 2015. Após o jogo contra o Criciúma, ele se despede do cargo para voltar a ser auxiliar permanente do clube, agora fazendo parte da equipe de Ricardo Gomes. Com a meta de ingressar em carreira solo no futuro, o filho do ídolo alvinegro Jairzinho tem a confiança do dever cumprido e passa o bastão ao titular com a certeza de que deixou boa impressão.


- Foi uma responsabilidade enorme, mas fiquei feliz em aceitar, pois adoro desafios. Sou muito competitivo. Aqui não poderia ser diferente. A passagem foi muito boa, espero ter ajudado. Acho que ajudei. Acredito que, depois do que aconteceu, se houver uma nova oportunidade, terão menos dúvidas e mais confiança no meu trabalho - destacou.


Embora tenha assumido o Botafogo na liderança da Série B, Jair Ventura teve a responsabilidade de conduzir um elenco abalado pela eliminação da Copa do Brasil e sem vencer ou marcar gols há três partidas. O interino, de 36 anos, esteve à frente do time na vitória por 1 a 0 sobre o Náutico e empate em 1 a 1 com o Bahia, no último sábado. Sua primeira experiência havia sido em 2010, quando comandou o Bota na vitória por 2 a 1 sobre o Tigres, no Campeonato Carioca, entre a demissão de Estevam Soares e a chegada de Joel Santana.


Portanto, marcar ao menos um ponto contra o Criciúma, nesta terça-feira, significará a manutenção da invencibilidade. Antes disso, porém, Jair Ventura celebra o fato de ter ajudado o Botafogo a não ter perdido o rumo após maus resultados, mesmo apostando em jovens revelados pelo clube.


- O Botafogo tem um grupo obediente taticamente, e minha felicidade é o fato de terem abraçado a minha ideia. Isso é gratificante para qualquer profissional. O Ricardo não vai ter problemas aqui, porque são jogadores unidos e profissionais. Não temos problemas de indisciplina, por exemplo, e isso ajuda o treinador - ressaltou Jair Ventura.

Por Gustavo Rotstein e Marcelo Baltar Rio de Janeiro/GE