terça-feira, 13 de outubro de 2015

Mesmo de mãos atadas, Neilton diz: "Não escondo que gostaria de ficar"


Emprestado pelo Cruzeiro, atacante afirma que vontade é seguir no Rio, mas decisão não depende dele: "Vivo o melhor momento da minha carreira e devo isso ao Bota"




Em menos de cinco dias, Neilton teve que responder duas vezes, na sala de imprensa do Engenhão, sobre sua permanência na próxima temporada. A situação incomoda e o deixa sem graça. Afinal, neste caso, querer não é poder. De mãos atadas em uma negociação que depende de Cruzeiro e Botafogo, Neilton ainda não sabe onde jogará em 2016. O seu desejo, porém, é claro. O jogador espera seguir no Rio de Janeiro no ano que vem.

- Primeiro quero colocar o Botafogo no lugar que ele merece, mas não escondo de ninguém que gostaria de ficar aqui em 2016. Mas tenho contrato com o Cruzeiro, um clube que me acolheu muito bem e tenho muito carinho. Tenho certeza que o Hamilton (Bernard, empresário) e os clubes decidirão o melhor para todos. Ele (empresário) sabe do meu desejo - afirmou Neilton. 


Botafogo x ABC - Neilton comemora seu primeiro gol pelo Botafogo (Foto: Dhavid Normando / Agência Estado)


A situação, no entanto, não é simples. Neilton tem contrato até o fim da Série B, e o bom desempenho fez com que o Botafogo se interessasse em mantê-lo para a próxima temporada. O principal impasse é o salário do atleta.

Atualmente, o clube carioca arca com apenas 25% dos vencimentos, que cabem dentro do teto estipulado pela diretoria. O restante é responsabilidade do Cruzeiro, que detém os direitos federativos de Neilton. O vínculo do jogador com a Raposa vai até o fim de 2018. A boa fase no Botafogo também pode fazer com que o clube mineiro, agora sob o comando do técnico Mano Menezes, repense sobre o aproveitamento do atacante.


Enquanto aguarda a definição, Neilton comemora, pela primeira vez na carreira, uma sequência como titular. Em dez jogos, foram quatro gols na Série B. O bom momento em campo vai de encontro à adaptação ao Botafogo e ao Rio de Janeiro.

- Vivo o melhor momento da minha carreira e devo muito isso ao Botafogo, por ter me dado essa oportunidade, e também aos meus companheiros que ajudam bastante no dia-a-dia. Aqui formamos realmente uma família. Sempre tive vontade de jogar no Rio de Janeiro. Essa cidade é maravilhosa mesmo, e a adaptação foi a parte mais fácil. Posso garantir que estou muito feliz por tudo que vem acontecendo na minha vida.

Por Marcelo Baltar Rio de Janeiro/GE