segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Com mais propostas, Bota adia para 2016 definição de material esportivo


Reunião foi realizada na última segunda-feira, dia 21, para avaliar cada caso, mas foi pedido mais tempo para análise. Com isso, não há previsão para decisão final




Definição sobre o novo fornecedor de material esportivo do Botafogo
 fica para 2016, sem prazo (Foto: Luciano Belford / SSPress)
O novo fornecedor de material esportivo do Botafogo será conhecido somente em 2016. Na última segunda-feira, dia 21, foi realizada uma reunião entre o Conselho Diretor para expor as propostas recebidas. A primeira delas foi a da canadense Dry World. Porém, outras duas também manifestaram seu interesse de patrocinar o clube. Com isso, o Alvinegro avalia todos os pontos com cuidado.


Inicialmente previsto para ter uma resposta já ao fim da reunião, agora, tudo ficará para 2016. No entanto, o clube não projeta nenhuma data - tem até o fim do contrato com a Puma para tomar a decisão, que seguirá durante o Campeonato Carioca. Houve dúvidas quanto a particularidades de cada proposta recebida e foi preciso mais tempo para que os diretores esclareçam as dúvidas e possam tomar a melhor decisão.


O fato é que a Puma não seguirá para o restante de 2016. A empresa alemã foi informada sobre o interesse da Dry World no começo do mês de dezembro e teve um prazo até estendido para dar uma resposta se cobriria os valores oferecidos ou não, por ter a prioridade em contrato. No entanto, declinou.


O fim da parceria entre Puma e Botafogo fica marcada por uma série de insatisfações neste ano. A começar pelo lançamento do novo uniforme, que ocorreu tardiamente, apenas no fim de agosto, após três remarcações de datas. Nos anos anteriores da parceria, os eventos ocorreram em fevereiro e abril. Além disso, após as novas camisas serem apresentadas, houve uma grande procura por parte dos torcedores nas lojas oficiais, que encontraram as prateleiras vazias, gerando uma série de reclamações por parte dos consumidores e um prejuízo financeiro ao clube, que poderia ter lucrado mais com as vendas.


Por GloboEsporte.com Rio de Janeiro/GE