terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Dinheiro pelo Ralo! Bota deixa de arrecadar cerca de R$ 150 milhões após perdas na Justiça


Saídas de jogadores como Willian Arão, Henrique Almeida, Lucas e Daniel fizeram clube deixar de lucrar com multas rescisórias



Willian Arão tinha uma multa de R$ 20 milhões e deixou o clube após ir à Justiça. ( Foto: Vitor Silva / SS Press)


Neste início de ano, a crise financeira foi um dos principais problemas enfrentados pela diretoria do Botafogo para montar um elenco forte e competitivo. A saúde monetária do clube alvinegro estaria bem mais aprazível caso o Glorioso não perdesse milhões de reais com a quebra de contratos de jogadores na Justiça do Trabalho. De 2014 até agora, o Bota deixou de arrecadar cerca de R$ 150 milhões com as saídas de Andrey, Willian Arão, Henrique Almeida, Lima, Gabriel, Lucas e Daniel.

Somadas as multas rescisórias dos que deixaram General Severiano através dos tribunais nos últimos 40 dias, o Botafogo sofreu um prejuízo de cerca de R$ 55 milhões só com as saídas de Willian Arão e Henrique Almeida. Com multa de R$ 20 milhões quando era jogador do Botafogo, Arão rejeitou duas vezes os valores depositados pelo Botafogo para garantir a renovação automática. Os advogados do volante conseguiram fazer valer uma mudança na lei para dar ao jogador o direito de não renovar com o Alvinegro e acertar em seguida com o Flamengo. Henrique Almeida ganhou o direito de rescindir após provar na Justiça atrasos salariais e de alguns tributos por parte do Botafogo. A perda dos direitos do atacante fez o clube não arrecadar até R$ 35 milhões referentes à multa rescisória.

Em 2015, o Glorioso deixou escapar o goleiro Andrey, que representou o Brasil Jogos Pan-Americanos de Toronto. Cria da base, o jogador, de 22 anos ficou cinco meses sem receber e conseguiu deixar no clube na Justiça. Após rescindir, acertou com o Botafogo-SP e, atualmente, defende a Cabofriense. O lateral-esquerdo Lima foi outro que deixou o Alvinegro pelo mesmo motivo. Sem receber, acertou com o ABC e hoje defende o Arouca, de Portugal.

Em 2014, porém, foi quando o Botafogo mais sofreu danos financeiros com litígios. No ano da Copa do Mundo no Brasil, o Alvinegro perdeu o lateral-direito Lucas, o volante Gabriel e o meia Daniel, que entraram na Justiça para cobrar salários e FGTS atrasados. Os contratos foram rescindidos. Considerados joias das categorias de base, os dois últimos tinham multas rescisórias altíssimas. Apenas a de Daniel girava em torno de R$68 milhões.


Fonte: Lancenet/Diego Lopes
Rio de Janeiro (RJ)