terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Henrique Almeida não se reapresenta, e volta ao Botafogo ainda é incerta


Diretoria não explica ausência do atacante, que tem contrato com o clube até dezembro. Tendência é que o jogador também não treine nesta terça-feira




Henrique Almeida foi a ausência mais sentida na reapresentação do Botafogo, nesta segunda-feira. Em alta após marcar 12 gols pelo Coritiba no Campeonato Brasileiro, o atacante tem contrato com o clube carioca até dezembro, deveria ter se apresentado em General Severiano, mas não apareceu. A tendência é que ele também não compareça às atividades nesta terça.

Oficialmente, o Botafogo não soube explicar o motivo da ausência de Henrique na reapresentação, mas afirma que ainda conta com o atacante. O gerente de futebol Antônio Lopes não demonstrou preocupação com o “sumiço” do jogador, que passou férias nos Estados Unidos e na Bahia.

- Não há nenhuma pendência com o Henrique. Ele não veio nesta segunda, assim como alguns outros jogadores. Eu não sei o motivo. Mas futebol é assim – resumiu o dirigente.

Henrique foi a principal ausência na reapresentação do Botafogo nesta segunda (Foto: Divulgação/Coritiba)

Botafogo e Henrique nunca viveram uma lua de mel, especialmente na atual gestão. Após retornar de empréstimo no início do ano passado, o atacante pouco foi aproveitado no clube e chegou a ser afastado pelo técnico René Simões. O motivo era o alto salário do atleta, que recebia quase três vezes acima do teto salarial estipulado para a disputa da Série B.

Emprestado em julho ao Coritiba, Henrique despontou e tornou-se protagonista da campanha que livrou o Coxa do rebaixamento na última rodada. Com a valorização do atacante, o Botafogo esperava negociá-lo, mas propostas de compra nunca surgiram.

A multa rescisória de Henrique é de R$ 35 milhões para clubes do Brasil e do exterior no caso de transferência antes de dezembro de 2016, quando termina o vínculo. No entanto, o Alvinegro aceitaria negociá-lo por 3 milhões de euros (cerca de R$ 12 milhões).

A venda é a única solução viável para o Botafogo, que ainda precisa quitar uma dívida de R$ 1,5 milhão com o São Paulo referente à aquisição de Henrique, ainda na gestão de Maurício Assunção, em 2013.

Inter, Grêmio, Santos, Cruzeiro e o próprio Coritiba já demonstraram interesse em contratar o jogador, mas o valor pretendido pelo Botafogo inviabilizou, até o momento, as negociações.


Por Marcelo Baltar Rio de Janeiro/GE