segunda-feira, 4 de abril de 2016

Caio Martins perde prazo, e JF ganha força para ser casa do Bota na Série A


Custo apresentado é considerado alto, e diretoria adia plano de reforma do estádio em Niterói. Cidade mineira é aprovada após clássico e vira opção para o Brasileiro




Antes do jogo contra o Flamengo no último sábado, o Botafogo estava há dois anos sem jogar em Juiz de Fora. Agora, após o clássico, a tendência é que os alvinegros da cidade de Minas Gerais vejam com mais frequência o time de perto. É que o Estádio Municipal Radialista Mario Helênio foi aprovado em seu primeiro contato com a atual diretoria. E, aliado ao grande número de botafoguenses na região - são os segundos maiores nas redes sociais do município, de acordo com o "mapa de curtidas", parceria do GloboEsporte.com com o "Facebook" -, ganhou força para ser casa do clube no Campeonato Brasileiro. Isso porque o plano A, que é o Caio Martins, continua parado por tempo indeterminado, e o B, que é São Januário, ainda é incerto.

Botafogo no Estádio Municipal Radialista Mario Helênio: cena deve se repetir no Brasileiro (Foto: Divulgação / Botafogo)

Diretores trabalhavam com o prazo até o fim de março para iniciar a reforma necessária no estádio de Niterói, a fim de dar tempo de terminar as obras nas primeiras rodadas do Brasileiro. Porém, o custo apresentado pelas quatro empresas que ofereceram um orçamento foi considerado alto demais pelo clube, que não possui recursos. A casa do Vasco, por sua vez, depende da inauguração do campo anexo, a fim de não sobrecarregar o gramado de São Januário. O local está em fase de construção, com previsão para ficar pronto no meio do ano. Outra possibilidade, mais remota, era Édson Passos, mas outras equipes do Rio já negociam com o América para usar as suas dependências na Série A.


Juiz de Fora, apesar de ser a opção mais distante - são 184km longe do Rio de Janeiro -, ganha pontos pelo conforto e simpatia. A viagem não é considerada longa, é possível ir e voltar no mesmo dia. E além de ser um reduto botafoguense, o estádio passou por uma reforma há pouco tempo e melhorou as condições dos vestiários e do gramado. Mudança percebida por quem esteve há pouco tempo no local, caso de Rodrigo Lindoso. Antes de chegar ao Botafogo, o volante defendeu o Madureira no empate por 3 a 3 com o Tupi, pela Série C do ano passado.

Boa presença de alvinegros em Juiz de Fora é um dos motivos que pesa na escolha (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

- Já joguei outras vezes lá, e o campo deu uma melhorada, teve reforma no vestiário... A atmosfera é boa, fomos bem recebidos, torcedores no hotel dando apoio. Isso acaba sendo uma motivação a mais para a gente - contou o volante, autor de um gol diante do Flamengo.


A diretoria do Botafogo está convencida de que Juiz de Fora é uma boa opção, menos para clássicos. Após o jogo contra o Flamengo, os dois times precisaram esperar por aproximadamente uma hora e meia para saírem do estádio. A polícia segurou os ônibus por causa de tumultos envolvendo as duas torcidas nas ruas de acesso. Também houve relatos de confusão do lado de fora com organizadas quando o jogo já havia começado. E a Polícia Militar registrou um furto de R$ 11.500 na bilheteria 2 do portão 8.


Fonte: Por Thiago Lima/Rio de Janeiro/GE