segunda-feira, 9 de maio de 2016

Botafogo anuncia "fico" de Ricardo e é mais um a frustrar planos do Cruzeiro


Treinador recusa oferta maior salarial para continuar no clube que o abriu as portas após AVC. Depois de tentar Jorginho e Marcelo Oliveira, Raposa leva terceiro "não"




As palavras confirmaram o que os sorrisos indicaram: Ricardo Gomes recusou a oferta do Cruzeiro e vai continuar no Botafogo. O treinador se reuniu com a diretoria alvinegra na tarde desta segunda-feira, em General Severiano, e bateu o martelo para sua continuação no clube. Com uma proposta muito mais vantajosa financeiramente do que recebe atualmente, o ele esteve reunido com o presidente Carlos Eduardo Pereira, o vice executivo Luis Fernando Santos e o vice de futebol Antônio Carlos Azeredo, o Cacá, antes do treino. O encontro terminou com o silêncio do comandante diante dos jornalistas, mas com expressões alegres no rosto em conversas com funcionários do clube. Os sorrisos dos dirigentes também adiantaram o que estava por vir: em entrevista coletiva logo depois, CEP anunciou o "fico" do técnico.


- O grande motivo de estar com vocês é para esclarecer a situação do Ricardo Gomes porque surgiram informações. Houve uma reunião entre Ricardo e a direção do Botafogo em função de ele ter recebido proposta de outro time da Série A. É muito importante deixar claro que em 2015, quando contratamos o Ricardo, fizemos com um propósito de um projeto de longo prazo. Trazer um treinador de gabarito internacional que pudesse conduzir o Botafogo para a Série A do Brasileiro. E assim foi feito. Foi um desafio para ele e para o Botafogo, e os resultados vieram ao longo de 2015 com o acesso e o processo de reformulação do elenco. E agora, um bom desempenho no Carioca que nos levou ao vice campeonato. É claro que todos os clube com um orçamento limitado, como ainda é o caso do Botafogo, ele é alvo de outros clubes. Mas o Botafogo de 2016 não é mais o Botafogo de 2014, quando assumimos. Clube que tinha contas bloqueadas e sem credibilidade no mercado. Hoje a gente cumpre nossos compromissos, tem CND e paga seu salários, com encargos, rigorosamente em dia. É um Botafogo com projeto. E dentro dessa linha, é com enorme prazer que anuncio que o Ricardo Gomes fica conosco. Não vai nos deixar. Vai comandar a equipe contra o Juazeirense-BA na quinta (pela Copa do Brasil) e contra o São Paulo no domingo. Isso mostra uma confiança mútua, do trabalho do Ricardo e da comissão, e do Ricardo em relação ao Botafogo - afirmou Carlos Eduardo Pereira.


Por causa do lado financeiro, o clima entre dirigentes do Cruzeiro era de otimismo pela contratação, mas o "fico" de Ricardo Gomes frustrou mais uma vez os planos do clube mineiro, que está sem um comandante desde que demitiu Deivid no fim de abril. A Raposa já havia tentado tirar Jorginho do Vasco, também com uma proposta salarial muito acima do que o treinador recebe em São Januário, porém, também recebeu um "não" como resposta. E, posteriormente, teve outra negativa de Marcelo Oliveira, treinador do bicampeonato celeste nas edições de 2013 e 2014 do Brasileirão, que quer trabalhar no exterior. A diretoria segue no mercado para encontrar um técnico às vésperas do Campeonato Brasileiro.

Ricardo Gomes deixou a reunião sem falar com
a imprensa, mas sorridente e dando indícios de que
 continuaria no Botafogo (Foto: Marcelo Baltar)
A proposta que Ricardo Gomes recebeu era três vezes maior do que seu salário em General Severiano e ele poderia ter deixado o clube "de graça", pois em seu contrato não existia prazo e sequer multa rescisória. Mas após a investida do Cruzeiro, Carlos Eduardo Pereira fez um novo vínculo com o treinador, que passou a ter validade até o fim de 2017, quando termina a gestão do presidente, e houve ainda um aumento em sua remuneração dentro do orçamento do clube - ou seja, sem cobrir a oferta da Raposa.


- Foi uma reunião muito tranquila. Fizemos uma avaliação de todo trabalho. Ricardo sempre foi muito gentil. Vimos a questão numérica. O Botafogo, dentro do planejamento, fez um esforço e conseguiu chegar a esse nível adequado. Quando as duas partes querem, fica tudo mais fácil. Houve uma adequação desse salário. Fizemos uma renovação, um planejamento que permitiu essa adequação. E acho que chegamos a um numero muito positivo para o Ricardo e para o Botafogo.


Pesou no "fico" de Ricardo a gratidão pelo Botafogo, clube lhe abriu as portas após quatro anos afastado do futebol, por conta de um AVC em 2011. Em General Severiano, conquistou a confiança da direção, de jogadores e torcedores. Apesar de perder o Carioca, não teve seu trabalho questionado em momento algum. Pelo contrário, é apontado como o principal responsável por levar o Alvinegro à decisão. Há quem diga que Ricardo sempre quis ficar, mas aproveitou a ocasião para cobrar reforços da diretoria. Até o momento, o Botafogo contratou quatro jogadores, mas nenhum grande nome: Victor Luís, lateral-esquerdo do Palmeiras, Anderson Aquino, atacante ex-Linense, Marquinho, meia ex-Macaé, e Geovane Maranhão, atacante emprestado pelo Madureira. Tanto que, na coletiva de imprensa após a final do Carioca, o técnico deu indícios de que não sairia ao falar de planos para o Campeonato Brasileiro e até sobre a escalação para a partida de estreia, no próximo domingo, contra o São Paulo.


Confira outros trechos da coletiva de Carlos Eduardo Pereira:


Reforços
O Botafogo recuperou a sua normalidade. Ele hoje tem a tranquilidade de manter suas obrigações em dias. O próximo passo do Botafogo será recuperar uma capacidade de investimento. O Botafogo hoje ainda não tem grande orçamento para grandes investimentos. Dependemos da capitação de patrocínios. Nada de novo, nada do que a gente já não viesse tratando. Cacá, Lopes já vinham fazendo esse planejamento, realizando a maioria dos contatos em relação a jogadores que podem vir a jogar pelo Botafogo. Mas teremos uma determinada capacidade. Estamos tentando investir os recursos possíveis da melhor maneira o possível


Barcos
Difícil tratar de nome da vez. Temos algumas negociações em andamento, e elas são dinâmicas. A cada momento você consegue dar um passo mais rápido, às vezes menos rápido. Não tenho como falar em casos, mas a torcida pode ter certeza de que estamos empenhados.


Cruzeiro e cutucada no Flamengo

Cada um tem sua própria ética. Nos criticavam por nos estarmos em tese ao lado do poder estabelecido, e chefiam a delegações do poder estabelecido. É possível construir futebol livre desse tipo de postura. Vale tudo. Ainda é muito complicado.


Saída de jogadores
Olha, é mais uma oportunidade para eu desmentir. Ontem venderam o Ribamar (para o Lyon) sem falar com a gente. O Ribamar continua conosco. Por agora não queremos nos desfazer dos garotos, que estão fazendo muito sucesso.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Rio de Janeiro