quarta-feira, 22 de junho de 2016

Auditoria da gestão Assumpção revela superfaturamento ao comprar Renato


Clube apresenta primeiros resultados do balanço externo e cita caso do volante, que teve 180% dos direitos adquiridos. Ex-presidente não comenta, mas irá se defender





Renato chegou ao Bota como a principal contratação
do clube em maio de 2011 (Foto: Globoesporte.com)
Seis meses depois, o Botafogo apresentou os primeiros resultados da auditoria externa da "Ernst & Young" para investigar as movimentações financeiras da gestão de Maurício Assumpção, que ficou no comando de 2009 a 2014. Na noite desta terça-feira, em reunião do Conselho Deliberativo realizada no ginásio de General Severiano, o presidente Carlos Eduardo Pereira citou o "caso Renato" como uma das operações questionáveis do ex-mandatário. Segundo levantamento, o volante, atualmente no Santos, teve 100% de seus direitos adquiridos em maio de 2011, mas um mês depois teve mais 80%, totalizando 180% de algo que só poderia chegar a 100%. Renato chegou na época como grande contratação. Na ocasião, o Alvinegro venceu a concorrência de Santos e Corinthians para contratar o então volante do Sevilla, da Espanha. O salário dele era na casa de R$ 380 mil mensais. Ele firmou contrato de três anos.


- Eu não vou antecipar nada porque estamos em um processo de levantamento de dados. Depois disso, as pessoas serão chamadas para explicar a situação. Elas terão direito à defesa. As coisas foram identificadas e vamos tentar esclarecer. Vamos dar a oportunidade de que as pessoas esclareçam. Não há prazo, essa auditoria vai se estendendo, estamos avaliando junto com um advogado criminalista que o Botafogo contratou. Ele vai identificar os pontos que carecem de ações do Botafogo. Feito isso, vamos divulgar. Esperamos que, no mais tardar no mês de julho, haja uma conclusão do processo de expulsão do Maurício Assumpção - disse o presidente Carlos Eduardo Pereira, que preferiu não revelar os valores apontados na auditoria.


O GloboEsporte.com entrou em contato com o ex-presidente Maurício Assumpção. Ele não comentou o "caso Renato" e disse que aguarda o momento em que terá a oportunidade de se defender. Segundo ele, quando apresentou sua defesa, a junta de Recursos e Julgamentos do Botafogo se disse incapaz de julgar o processo que está sendo movido para sua expulsão do clube.


Outra novidade do encontro foi a previsão de liberar a "Arena Botafogo" nesta quarta-feira para o jogo do dia 3 de julho, contra o Santa Cruz, e a possibilidade de a diretoria se abrir a propostas para alugar o espaço para a dupla Flamengo e Fluminense se os rivais quiserem - para o Rubro-Negro, porém, Carlos Eduardo Pereira avisou que não há possibilidades de negócio enquanto estiver correndo o imbróglio judicial envolvendo Willian Arão. Também foram temas da pauta a utilização do Estádio Nilton Santos para shows a partir de 2017, o controle orçamentário do clube, o alto número de lesões a contratação de Canales, que chegou machucado.


Confira os principais pontos da reunião:


AUDITORIA
Mauricio Assumpção está sendo alvo de investigação
 interna no Botafogo (Foto: Reprodução / TV Globo)
Em acordo firmado em janeiro com a "Ernst & Young", a empresa está em processo de auditar processos, documentações e contas da instituição relativas ao período de 2009 a 2014, do mandato de Assumpção. Os resultados finais ainda não foram concluídos, mas Carlos Eduardo Pereira citou o "caso Renato" como exemplo, além de outras operações consideradas estranhas, como as rápidas evoluções salariais de Eduardo Hungaro, ex-auxiliar e técnico do Botafogo. O presidente alega que os maiores problemas estão entre 2013 e 2014 e também citou o caso da empresa do pai de Assumpção,"Romar Representações LTDA", receber 5% dos contratos firmados pelo Alvinegro com a Viton 44, principal patrocinadora do clube à época. O antigo comandante teve as contas do ano fiscal de 2014 reprovadas pelo Conselho Deliberativo e atualmente responde a processo ético perante os órgãos do Alvinegro após ter sido acusado de improbidade administrativa. O benemérito José Vitor disse que se a auditoria concluir que houve crime financeiro, o encaminhamento é diferente e pode haver punição grave ao ex-presidente.


"ARENA BOTAFOGO"
"Arena Botafogo" deve ser liberada para inauguração
nesta quarta-feira (Foto: Divulgação / Botafogo)
O vice-presidente executivo, Luis Fernando Santos, revelou que a "Arena Botafogo" já obteve o laudo dos bombeiros e falta apenas o do Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe), que deve sair nesta quarta-feira, liberando o estádio para ser inaugurado dia 3 de julho, contra o Santa Cruz. Foi informado ainda que o local terá quatro setores: um social (5.500 lugares), duas arquibancadas do mandante (aproximadamente 4.000) e uma de visitante (1.650). Outra novidade foi a possibilidade de alugar o espaço para Flamengo e Fluminense se for do interesse dos rivais, como forma de aumentar a receita - o Vasco não quis fazer acordo para ceder São Januário em troca da dívida por Fellipe Bastos - e de continuar usando o estádio na Ilha do Governador em 2017 mesmo com a volta do Nilton Santos. Caso o clube não continue na arena, a estrutura provisória será desmontada.


NILTON SANTOS
Nilton Santos deve passar a receber shows musicais
previstos no Rio de Janeiro a partir de 2017 (Foto: AP)
O Botafogo teme que a Prefeitura do Rio de Janeiro demore a liberar o estádio após a Olimpíada e já definiu que seguirá na "Arena Botafogo" mesmo com o Nilton Santos à disposição em 2016. No ano que vem, há a possibilidade de o Alvinegro seguir jogando partidas na Ilha do Governador e começar a usar o palco no Engenho de Dentro para shows musicais, como o Maracanã tem feito ultimamente. Carlos Eduardo Pereira diz que o clube está em contato com empresas especializadas e que duas já manifestaram interesse, gostaram do espaço e devem apresentar propostas em breve.



CONTROLE ORÇAMENTÁRIO
Novis alegou que o Botafogo tem tido fluxo de caixa
positivo ao longo da temporada (Foto: Thiago Lima)
O recém-homologado vice-presidente de finanças do Botafogo, Luiz Felipe Novis, apresentou um controle orçamentário na reunião em gráficos. O foco da argumentação é que o Botafogo tem tido superávit maior que o orçado no início do ano, fazendo com que o clube projete bons resultados financeiros ao final da temporada - o futebol, por exemplo, está executando abaixo da folha prevista de R$ 3 milhões, incluindo comissão técnica. Porém, números apresentados foram poucos, como o balanço de maio: foram orçados 108 mil, mas o valor realizado foi de 1,8 milhão - o benemérito Paulo Sérgio pediu para que nas próximas reuniões o dirigente apresente o fluxo de caixa. Novis alegou que despesas operacionais do clube aumentaram e algumas receitas ficaram abaixo do esperado, como aluguel do Mourisco, mas que o Alvinegro tem tido fluxo de caixa positivo e não precisou de novos financiamentos para pagar suas obrigações.



LESÕES E CANALES
Canales vem sendo "blindado" pelo Botafogo e não teve
fotos divulgadas no clube (Foto: Twitter / Botafogo)
Quem esteve presente na reunião foi o coordenador médico do Botafogo, Luiz Fernando Medeiros. Se quando deu entrevista coletiva no clube para explicar sobre Canales o doutor causou um mal-estar com a diretoria internamente por causa de críticas nas redes sociais e na imprensa, desta vez ele foi convocado para o Conselho Deliberativo. Em pauta, as muitas lesões do elenco e a contratação do chileno Canales, que chegou machucado. O profissional da área médica admitiu a preocupação com as muitas contusões e revelou que a equipe de preparação física tomou algumas providências para treinamentos e na sala de preparação, de forma a tentar minimizar o problema. Sobre o chileno, garantiu que ele foi rigorosamente avaliado e está curado de lesões anteriores, exceto uma que está sendo tratada, um edema no pé direito - o centroavante teria voltado a jogar antes da hora na Universidad de Chile, o que acabou atrasando a sua completa recuperação.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima/Rio de Janeiro