quarta-feira, 22 de junho de 2016

Botafogo e Figueira pecam na mira e empatam sem gol em Juiz de Fora



Cariocas perdem caminhão de gols e seguem no Z-4. Catarinenses desperdiçam melhor chance do jogo e seguem sem vencer no Brasileiro como visitantes








O roteiro foi o mesmo que o torcedor do Botafogo está acostumado. Joga melhor, cria muitas chances, mas não consegue transformá-las em gols. Neste cenário, o Figueirense até tem motivos para comemorar o empate por 0 a 0, na noite desta quarta, no Estádio Mário Heleno, apesar de também ter perdido uma oportunidade inacreditável, no fim do jogo, com Everton Santos. Mas é fato que o time catarinense deixa Juiz de Fora com um pontinho na bagagem graças ao festival de chances desperdiçadas pela equipe carioca.


O empate não foi bom para ninguém, mas foi pior para o Botafogo. A equipe de Ricardo Gomes chegou a 9 pontos, subiu uma posição (17ª), mas segue na zona de rebaixamento. O time carioca ainda pode ser ultrapassado nesta quinta por Coritiba e Sport, que jogam nesta quinta. Na 12ª colocação, o Figueirense tem 13 pontos e segue sem vencer fora de casa. No domingo, o Botafogo visita o Inter, em Porto Alegre. No mesmo dia, o Figueira recebe o Coritiba, em Florianópolis.

Jogo em Juiz de Fora teve muitas chances (Foto: Vítor Silva/SSPress/Botafogo)

Apesar dos sete desfalques (Jefferson, Carli, Emerson, Lindoso, Dudu Cearense, Leandrinho e Sassá) do Botafogo e dois três (Elicarlos, Carlos Alberto e Rafael Moura), foi um primeiro tempo animado em Juiz de Fora. O Alvinegro teve mais posse de bola (63%), volume de jogo e chegou bem com Fernandes, Yaca e Bruno Silva – a melhor chance -, mas o Figueirense foi perigoso nos contra-ataques. Ermel e Dudu, em chute que passou rente à trave, quase colocaram o time catarinense em vantagem.


A etapa final foi toda do Botafogo, que chegou a ter 70% de posse de bola. A pontaria, porém, estava novamente descalibrada. Emerson Silva (três vezes), Neilton, Fernandes, Luís Henrique, Aquino, Octávio... Quando a bola ia no gol, o goleiro Gatito Fernandes estava lá. Foram 17 finalizações em todo o jogo. Nenhuma com o gol como destino. No último lance do jogo, quase como uma punição, o Figueirense quase marcou. Airton cobrou falta de longe, Sidão deu rebote, mas Everton Santos, talvez contagiado pelas inúmeras chances perdidas, mandou para fora, com o goleiro caído. Certamente foi o 0 a 0 mais animado do Brasileirão.


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com/Juiz de Fora, MG