terça-feira, 7 de junho de 2016

Torcida invade treino do Botafogo e cobra elenco por resultados positivos



Cerca de quinze torcedores pularam a catraca do clube e entraram em campo para conversa também com com vice de futebol; polícia teve que ser acionada




Torcedores invadiram o treino do Botafogo na manhã desta terça-feira ao pular a catraca da entrada principal do clube para cobrar os jogadores por resultados positivos. Enquanto Luiz Fernando Medeiros, coordenador médico do Bota, dava coletiva na sala de imprensa sobre Canales, alguns membros de uma torcida organizada se dirigiram até o vice de futebol, Cacá Azeredo, e pediram mudanças.


- Vamos meter porrada em geral - disse um torcedores, mostrando que o clima estava realmente tenso.
Membros de organizada conversaram com Cacá Azeredo, vice de futebol (Foto: Marcelo Baltar/ GloboEsporte.com)

Apesar da tentativa de conversar com o elenco, em um primeiro momento, os torcedores não tiveram acesso aos jogadores, já que o treino no gramado foi suspenso por conta alagamento decorrente da forte chuva no Rio de Janeiro. Depois de uma conversa acalorada - de aproximadamente 20 minutos - com o dirigente e com seguranças do clube, os torcedores foram liberados para conversar com os alvinegros na parte externa da academia, onde era realizada a atividade do dia. Durante a reunião, além de pedir uma postura mais aguerrida, a torcida exigiu as saídas de Octávio, Jean, Lizio, Lucas Zen e Jean.


Aos sair do encontro com o elenco, que durou certa de dez minutos, torcedores cantavam o hino do clube e ainda pararam para falar mais uma vez com Cacá Azeredo. Eles prometeram voltar para apoiar o time durante o treinamento desta quarta-feira.


Por conta da confusão, a Polícia Militar foi acionada e ao menos cinco policiais foram até General Severiano.
Torcedores foram até a academia para conversa com os jogadores (Foto: Marcelo Baltar/ GloboEsporte.com)
Policiais se dirigem até a academia para acompanhar reunião de torcedores e jogadores (Foto: Marcelo Baltar/ GloboEsporte.com)


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Rio de Janeiro