quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Xô, zica! Com nova aparelhagem, Bota completa terceira semana sem lesões


Alvinegro investe em tecnologia de ponta para espantar bruxa solta e já começa a ver resultados. Mais equipamentos vão chegar a General Severiano nos próximos meses




Não é apenas na tabela que os ventos começam a soprar a favor para o Botafogo. Fora de campo a maré também virou, e o Alvinegro comemora a terceira semana seguida sem sofrer com novas lesões musculares. O problema atormentou o elenco desde a pré-temporada, e em maio o clube chegou a ter uma média de dois jogadores machucados a cada 30 dias. A bruxa antigamente solta foi apontada pela própria comissão técnica como um dos fatores responsáveis pelo desempenho ruim da equipe no primeiro turno do Campeonato Brasileiro.


Termografia monta espécie de mapa de calor com regiões mais propícias a lesões musculares (Foto: Reprodução)

Desde o dia 8 de agosto, quando Sassá foi liberado, o departamento médico anda vazio. Apenas Jefferson, em recuperação de uma cirurgia no braço esquerdo, e Lizio, operado por conta de uma pubalgia, não estão à disposição do técnico Jair Ventura. A dupla deve voltar em setembro.


O fato de ter ficado dez dias sem jogos em virtude do adiamento da partida contra o Grêmio colaborou, mas o investimento em aparelhagem de prevenção de lesões foi importante para esvaziar o departamento médico. Há cerca de dois meses, o Botafogo comprou equipamentos importados para formar uma espécie de centro de excelência em General Severiano. Segundo o GloboEsporte.com apurou, a diretoria planeja investir pelo menos R$ 300 mil até o fim do projeto.


Após jogar 90 minutos contra Sport, Airton
 está sendo poupado do treino em campo
 (Foto: Divulgação/Twitter)
O primeiro equipamento a chegar foi o da Termografia, que faz um mapa de calor dos músculos. As regiões mais avermelhadas, invisíveis a olho nu, indicam desde fadiga muscular a rompimentos de microvasos, mostrando se o jogador está próximo de se machucar e se precisa ser poupado de jogos ou exercícios mais pesados. E o recurso já vem ajudando na prevenção de lesões, segundo o preparador físico alvinegro Ednilson Sena.


– Usamos com o Airton, com o Lindoso... Todos os clubes top de linha têm esse mecanismo que dá subsídio para você minimizar isso (alto número de lesões). A lesão vai acontecer, mas não em nível grande. Você pode poupar o jogador de uma atividade ou tirar do treinamento. A diretoria vem fazendo um esforço para adquirir essa aparelhagem. Ela nos ajuda, mas não é só isso. Nosso calendário deu uma desafogada na tabela, deu tempo de recuperar jogador de um jogo para o outro. Tivemos ajustes dos trabalhos que foram feitos, diminuímos a carga com algumas coisas. E a gente chama o jogador, fala que tem que ter repouso, suplementação, se alimentar bem... Não adianta só treinar, se não comprar nossa ideia não vai a lugar nenhum.


No início de setembro, outro aparelho já comprado vai chegar a General Severiano: o Isocinético, que permite quantificar a função e o desempenho muscular do jogador, atuando também como um método preventivo e terapêutico de lesões. Outros que estão encaminhados são o Catapult, um GPS que reúne dados dos atletas durante os treinos e os apresentam em tempo real para o departamento médico e a preparação física, e o Quinel, que ajuda no fortalecimento e no tratamento de desequilíbrio muscular. Também está prevista nova aparelhagem da fisioterapia.


A prova de fogo será a partir da próxima semana. Em um período de dez dias, o Botafogo realizará quatro jogos. A maratona começa em 29 de agosto, contra o Atlético-PR, na Arena da Baixada. Depois serão três partidas seguidas na Arena Botafogo. Em 1º de setembro, o time recebe o Cruzeiro, pela Copa do Brasil. Três dias depois será a vez do Grêmio, em jogo adiado da 19ª rodada. E após mais 72 horas, o Alvinegro volta a campo para enfrentar o Fluminense.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima/Rio de Janeiro