quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Campeão sub-20, treinador do Bota confia em amigo Jair para transição


Eduardo Barroca elogia trabalho da base alvinegra, após a conquista do Brasileiro da categoria, e afirma que decisão sobre jogadores que sobem é do técnico principal





Eduardo Barroca beija a medalha do título brasileiro
 sub-20 do Botafogo (Foto: Lucas Strabko)
O celular de Eduardo Barroca não para. O treinador comandou o Botafogo na conquista do título do Brasileiro Sub-20, nesta terça-feira, ao derrotar o Corinthians por 2 a 0 na arena do rival. Desde o final do jogo, Barroca recebeu mais de 1.100 mensagens. O técnico não tirou o sorriso do rosto para explicar o motivo pelo qual o Glorioso foi campeões.


– Foi campeão porque o Botafogo está fazendo as coisas certas, dando boas condições de trabalho. É um grupo com muito talento. Quando junta o triângulo direção, comissão técnica e jogadores, a tendência é que a coisa ande bem. O clube um vive momento especial como instituição. Profissional está bem, aproveitando jogadores da casa. Temos comunicação muito eficaz. Temos treinador no profissional formado dentro de casa – disse Barroca.


Desde março no comando do sub-20 alvinegro, Barroca sente que vive o momento perfeito para ocorrer transição entre base e profissional no Botafogo, principalmente pelo amigo Jair Ventura estar comandando a equipe principal do Fogão.


– Ele acompanha de perto, era auxiliar-técnico, conhece todos esses jogadores. Eles estão treinando comigo, mas jogando com ele muitas vezes. Existe uma comunicação e um processo coerente de integração. Não posso falar que serão aproveitados de imediato, mas tenho certeza que o Jair vai aproveitar no momento certo. Ele conhece o clube, está há nove anos. Não poderia ter profissional melhor para fazer essa transição.


Dos campeões brasileiros, Marcelo, Matheus Fernandes, Marcinho e Bochecha já integravam o elenco profissional, mas desceram para disputar a final do campeonato. A tendência é que voltem à equipe principal. Barroca não sabe se outros jogadores que subirão.


– Quando chegar no Rio, vou conversar com o Jair. Nos comunicamos com frequência grande. É um profissional que tenho respeito e admiração muito grande, além da identificação profissional de pensar o futebol. Acho que tudo isso facilita a transição. Antes da final, ele desejou boa sorte e disse que nos acompanharia.


O treinador prefere não apontar alguma aposta do time campeão que terá um grande futuro pela frente.


– É difícil acertar em um. Depende muito do momento. Às vezes o profissional precisa de determinada profissão e o jogador que está aqui não é nem o mais maduro, mas aproveita a chance. É difícil opinar. Todos têm potencial. A efetividade partirá da observação do Jair. As coisas vão ser feitas de maneira coerente. 


Jogadores do Botafogo comemoram a conquista do título brasileiro sub-20 na casa do Corinthians (Foto: Marcos Ribolli)



Fonte: GE/Por Lucas Strabko/São Paulo