quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Diogo assina com Cruzeiro, agradece ao Bota e lamenta: "Demorou muito"


Lateral, que admite assédio do Fla, viaja para BH nesta quarta para realizar exames e firmar contrato de três anos. Na despedida, elogia o Alvinegro: "Me sentia em casa"




Diogo Barbosa vai dar uma pausa nas férias em Goiânia e viaja nesta quarta-feira para Belo Horizonte para realizar exames médicos e assinar por três anos com o Cruzeiro. É o início de um novo ciclo e o fim da curta, porém intensa, história no Botafogo.


Em um ano em General Severiano, Diogo chegou como desconhecido, mas conquistou espaço, ganhou o prêmio de melhor lateral do Carioca e começou com a história de “patinho feio”. O conto virou símbolo da reação do Botafogo, que saiu da zona de rebaixamento para Libertadores sem escalas.


O curto casamento, porém, poderia ser duradouro. Diogo queria ficar, o Botafogo tinha interesse na permanência do lateral, mas demorou a agir. Ao menos na opinião do jogador.


- Criei uma identidade muito rápida com o Botafogo. A torcida me acolheu de uma forma carinhosa, me sentia em casa. Mas acho que o clube demorou muito para demonstrar algum interesse, sabendo da minha situação contratual, sabendo que os meus direitos estavam ligados ao Banco BMG - disse o lateral. O BMG pediu cerca de € 1,5 milhão (cerca de R$ 5 milhões) por 50% dos direitos do jogador. O Alvinegro não topou.

Jair Ventura e Diogo Barbosa Botafogo (Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)

A passagem pelo Botafogo foi vitoriosa, mas nos últimos meses ficou marcada por especulações. O nome de Diogo foi ligado a vários clubes, entre eles o Flamengo. O lateral confirmou a procura do rival.


- Houve, sim, a procura do Flamengo, mas foi no fim da temporada, quando as conversas com o Cruzeiro já estavam bem adiantadas


Em entrevista ao GloboEsporte.com, o lateral falou sobre sua passagem pelo Botafogo, agradeceu ao clube e à torcida e projetou seu futuro no Cruzeiro.

Diogo Barbosa Botafogo (Foto: Vitor Silva /
 SSpress / Botafogo)
Você chegou pouco conhecido e sai como um dos jogadores mais valorizados. O que tem a falar da sua temporada no Botafogo?
Pois é, verdade! Por ter vindo de um clube que tinha sido rebaixado (Goiás), houve muita desconfiança. Mas eu sabia da força do meu trabalho e que tinha condição de fazer uma temporada muito boa pelo Botafogo. E eu me dediquei muito para que ocorresse tudo da forma como eu sonhava. Durante o ano, fui crescendo de produção, fazendo boas partidas, podendo ajudar o time. Tive duas lesões que atrapalharam muito minha sequência de bons jogos. Acho que poderia ter feito mais se não fossem essas lesões, pois aconteceram justamente nos meus dois melhores momentos no clube.

Você é lateral, foi eleito o melhor do Carioca, mas jogou a reta final do Brasileiro como meia. Em que posição pretende seguir? Já conversou com o Mano Menezes sobre o assunto?
Nunca escondi de ninguém que sou lateral e que minha preferência sempre vai ser jogar de lateral. Mas ocorreu que, numa serie de desfalques no time, o Jair armou o time com duas linhas de 4 e me testou jogando na linha de frente, à frente do lateral, até pelas minhas características. E deu certo. E ele manteve isso por umas seis ou sete partidas. Mas não sou meia, sou lateral e não pretendo mudar minha função. Fiz para ajudar o Botafogo. E minha minha dobradinha com o Vitor Luis pela esquerda deu certo.

Você expressou várias vezes sua vontade em permanecer. O Botafogo também queria que continuasse. O que faltou? Quando ficou sabendo do interesse do Cruzeiro?
Sim, sempre demonstrei isso, criei uma identidade muito rápida no Botafogo. A torcida me acolheu de uma forma carinhosa, me sentia em casa. Mas acho que o clube demorou muito pra demonstrar algum interesse, sabendo da minha situação contratual, sabendo que os meus direitos estavam ligados ao Banco BMG. Mas sou grato a tudo que o Botafogo fez por mim, cresci muito vestindo essa camisa, e tenho certeza de que saio pela porta da frente, com a sensação de que dei tudo de mim em cada jogo. E nosso grupo colocou o Botafogo novamente na Libertadores, uma coisa muito gratificante para todos nós.

Diogo Barbosa Botafogo (Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)

Seu nome foi ligado ao Flamengo várias vezes. Houve mesmo o interesse?
Sempre houve muitas especulações, mas muitos times procuraram o Banco BMG depois que souberam que meus direitos pertenciam a eles. Houve, sim, a procura do Flamengo, mas foi no fim da temporada, quando as conversas com o Cruzeiro já estavam bem adiantadas.

Você começou com essa história do “patinho feio”. O que achou do final da história? Melhor do que nos livros?
(risos) Verdade! Sempre liguei o nosso time ao "patinho feio" por recebermos tantas criticas, tantas palavras negativas. E, numa entrevista, comentei que o "patinho feio" iria chegar na Libertadores. Muitos riram e não acreditaram que iríamos conseguir, mas falei porque sabíamos que tínhamos reais condições de conseguir. Conhecia o ambiente do grupo, conhecia o caráter de cada jogador, e todos estavam tristes com a situação que estávamos vivendo naquele momento. Sabíamos que as coisas iriam melhorar e conseguimos. E o tal "patinho feio" ficou lindo.

O que a torcida do Cruzeiro pode esperar do Diogo em 2017?
Quero fazer de 2017 no Cruzeiro o meu melhor ano. Vou me preparar e me dedicar muito, pois é um clube que oferece toda estrutura para isso. É um novo desafio, que tenho certeza de que, com muito trabalho, colherei coisas boas. Acredito muito na força do trabalho. E a torcida sempre vai ver um Diogo guerreiro em campo.

Fonte: GE/Por Marcelo BaltarRio de Janeiro