quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

René é apresentado e se diz pronto para o desafio de tirar o Bota da "UTI"


No dia em que completa 62 anos, novo técnico alvinegro considera a missão de tirar o time da Série B a grande oportunidade da sua carreira






Contratado para ser o técnico do Botafogo em 2015 com contrato de um ano, René Simões foi apresentado no início da tarde desta quarta-feira, em General Severiano, justamente no dia do seu aniversário. Ele já começou o trabalho de planejamento junto com a diretoria, entregou uma lista de possíveis reforços e convocou os verdadeiros alvinegros a não abandonarem o clube neste momento em que está na "UTI"

- As pessoas que me ligarem hoje no meu aniversário, que me visitarem, terei muito carinho. Mas o dia que estiver na UTI, as pessoas que visitarem que são meus verdadeiros amigos. Agora é a hora de ver quem são os verdadeiros botafoguenses - disse.

René Simões é apresentado como novo técnico do Botafogo (Foto: Fred Huber)
René Simões sabe que sua missão não será das mais simples, e o próprio classificou como o "maior desafio da carreira". O Alvinegro vive uma profunda crise financeira e vê seus problemas se acumulares ao mesmo tempo em que jogadores importantes, como Gabriel e Daniel, entraram na justiça para pedir a rescisão contratual.

- Recebi esse grande presente do Botafogo. Talvez seja o maior desafio da minha carreira, mas também é uma enorme oportunidade. O Botafogo de tantas tradições, de ídolos fenomenais, que, quando criança, via Didi, Garrincha, Carlos Alberto... É uma honra muito grande estar em um clube como esse. Sei das dificuldades que teremos, mas agradeço ao presidente Carlos Eduardo Pereira, ao Mantuano (vice de futebol) e ao Carlos Alberto Torrres pela indicação. Estou muito feliz - completou.

René, que completa 62 anos nesta quarta-feira, já conquistou o título da Série B em 2007 quando dirigia o Coritiba. No Rio, ele foi técnico do Fluminense, entre 2008 e 2009, e diretor de futebol do Vasco em 2013. O técnico tem ainda como destaque em sua carreira o fato de ter classificado a Jamaica para a Copa do Mundo de 1998 e ter conquistado a medalha de prata com a seleção brasileira feminina nas Olimpíadas de Sidney, em 2000.

René Simões, Apresentação Botafogo (Foto: Vitor Silva / SSpress)


Confira a entrevista completa de René Simões:

Desafio à frente do Botafogo
- A minha vida é marcada por desafios, e a grandeza do Bota estimula a gente a querer estar aqui dentro. O Bota é essa grandeza toda momentaneamente na Segunda Divisão. Espero contribuir muito. Mais do que ser um treinador, tenho que ser um cara que junte pessoas, direção, torcida, jogadores, comissão técnica.

Lista de reforços
- Conversamos e estamos bem encaminhados. Já temos a relação de jogadores que queremos e fizemos aquela relação de jogadores que sonhamos. Vamos ver o que será possível. Gera a necessidade de muita união entre todos, não sabemos que relação vamos conseguir. Temos que nos basear em muito foco, em meritocracia. Vamos ter que ter muito trabalho duro.

Como seduzir atletas a jogarem pelo Botafogo
- Ir no jogador certo. Tem muitos que não estão encaixados em grandes clubes e vão querer entrar no time do Botafogo na Série B. Vão usar o clube, assim como o clube vai usá-los, e eles vão se promover. É uma bela oportunidade jogar no Botafogo. olha o número de jornalistas que temos hoje. A sedução vai vir pelo Botafogo, não pelo o que eu vou falar para eles

Diferença da Série A para Série B
- O tipo de jogo da Série B é diferente, é um jogo mais pegado, que você tem que estar entregue em 90 minutos. A bola nem sempre está embaixo, vem mais em cima, mais agressividade dentro da área, fora da área... Pensando nisso temos uma relação de jogadores que podem ser utilizados na Série B.

Motivação para voltar a ser técnico
- O que move são meus objetivos de vida. Nos últimos dois anos fiz cinco cursos me preparando para retornar ao campo. Estava incomodado e pensei que tinha que voltar. Hoje estou muito mais preparado. Se você não tem os melhores jogadores, já que as condições financeiras inviabilizam, tem que ter o time bem treinado. Vou usar uma palavra que o Tite usou muito: desempenho. A capacidade dos jogadores de absorver no treinamento é o que a gente quer. Isso que me move. Fiz muitas coisas, me sinto um jovem de 62 anos. Fiz cursos, viajei a Europa, acordei cedo...

Conhece o elenco?
- Eu costumo dizer que o treinador só tem conhecimento de jogador quando trabalha com ele. Fora isso, você tem informação e percepção. Conhecimento eu só vou ter quando trabalhar com eles. Vou saber quem é de jogo, quem é de treino... Vamos ver quando eu trabalhar com eles para definir o grupo para a pré-temporada e iniciar os trabalhos.

Importância de Jefferson
- Jogador como o Jefferson exerce um papel fundamental na equipe. Jogador de seleção brasileira, isso dá peso ao time. É óbvio que conto com ele".

Gabriel e Daniel, que rescindiram na justiça
- São dois ótimos jogadores. Se o Botafogo puder reverter isso para tê-los conosco, será muito bom.

Jobson
- Temos que montar o elenco e depois pensar neste processo. É um trabalho de comissão técnica. Para ganhar uma competição como a Série B, precisamos de uma comissão forte e experiente, e estamos montando isso. Vou conversar com ele (Jobson) para saber se mudou (dispenso o atacante na época do Bahia). Torço para que tenha mudado. Potencial eu sei que ele tem, mas não pode ser diferenciado dos outros na meritocracia.

Carioca e Copa do Brasil como laboratórios?
- Você não pode desprezar nenhuma competição. Autoconfiança conta, e isso ganhamos com coisas boas que acontecem com a gente. As dificuldades são muito grandes, mas vamos trabalhar. Vamos trabalhar no Campeonato Carioca, na Copa do Brasil, mas o foco principal é a Série B. Mas eu adoraria ser campeão carioca. Nunca fui, adoraria ser campeão no meu estado

Salário considerado abaixo da média do mercado
- Se olharmos todos os treinadores, todos estão ganhando menos do que ganhavam. Parabéns ao futebol brasileiro. É irracional oferecer sem ter. A mim não incomoda. Ganho mais do que a grande maioria dos milhões de brasileiros. Estou ganhando muito bem, o futebol brasileiro que estava fora da realidade. Falei isso antes (como dirigente), e agora estou me ajustando na prática.

Local da pré-temporada
Estamos visitando um local, parece excepcional. Vamos dar uma olhada, tem tudo para ser o escolhido. Já temos data, está muito bem encaminhado. Apesar der ainda estarmos discutindo algumas coisas.

Por Fred Huber e Sofia Miranda*Rio de Janeiro*Estagiária, sob supervisão de Jessica Mello/GE