terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Botafogo consegue verba para quitar dívida, mas sofre pressão de Jefferson




Jefferson durante treinamento do Botafogo no Engenhão Luciano Belford/SSPress

"Se for para o bem da Nação e felicidade geral, diga ao povo que fico". Ainda não foi dessa vez que os torcedores do Botafogo puderam utilizar a famosa frase de Dom Pedro I para comemorar a permanência de Jefferson no clube. O Alvinegro está confiante, pois conseguiu a verba para quitar a dívida de R$ 2 milhões com o goleiro, principal entrave.

Entretanto, Jefferson e seu estafe querem pressa na resolução. E para que tudo seja resolvido, eles adotaram uma postura mais agressiva com o Botafogo. Ou apresenta um projeto com um plano para quitar a dívida ou o camisa do Alvinegro não estará presente na reapresentação do elenco no dia 8 de janeiro, em General Severiano.

"Já nos reunimos com o Jefferson e definimos que enquanto o Botafogo não se posicionar com o projeto da quitação da dívida, ele não se apresenta. Essa é uma decisão dele. Se isso acontecer [tiver projeto para pagar a dívida] estaremos de braços abertos. Eles sabem disso. Resolvendo esse problema ele treinará com todo o amor do mundo. Não é questão de faca no pescoço. Não queremos o dinheiro até o dia 8. Se assinar um compromisso que pagará, por exemplo, no dia 20 de janeiro tudo bem. Queremos um posicionamento. Até agora não apresentou", disse Gérson Sá, um dos empresários de Jefferson ao UOL Esporte.

O presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, por sua vez, adota a cautela para explicar a situação. Segundo o mandatário, o Alvinegro já conseguiu a verba necessária para pagar a dívida. O problema é que o dinheiro ainda não está na conta do clube, que aguarda decisão da Justiça para ter a quantia em mãos e realizar o pagamento.

"Temos total confiança na permanência do Jefferson, que é a nossa prioridade desde a campanha eleitoral. Já conseguimos o dinheiro e pagaremos a dívida que temos com ele de salário criada ao longo de 2014. Existe essa pressão por parte do empresário, mas vejo com naturalidade [decisão de não se reapresentar], pois cada um defende seus interesses", explicou o presidente.

"Não gostaria de determinar uma data. Não sei se o dinheiro vai ser liberado antes da reapresentação. É questão burocrática. O dinheiro é nosso e vamos usar parte dele para pagar a dívida com o Jefferson. Isso é certo. Essa verba será liberada e faremos o pagamento. Temos uma conversa agendada com o Jefferson e vamos explicar tudo. Acredito que a conversa é o melhor caminho", completou Carlos Eduardo Pereira.

Gerson Sá vê com bons olhos a movimentação do Botafogo para pagar a dívida com Jefferson, mas espera que essa atitude seja colocada no papel. Caso isso aconteça, o goleiro mudará de ideia e se reapresentará normalmente ao Alvinegro.

"O que Jefferson espera é quitar a dívida criada em 2014. Como o contrato termina em 2015, queríamos saber se o Botafogo tem o interesse em manter apenas em 2015 ou se tem um projeto futuro. A questão financeira entre os dois está desenhada e não seria problema. É questão de definição de projeto mesmo", afirmou o empresário do goleiro.

Bernardo Gentile
Do UOL, no Rio de Janeiro