sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Fim da fila: René Simões joga duro, e Jobson larga atrás por vaga no Bota


Jogador, que já teve problemas com o treinador, é o único atacante do elenco que ainda não foi testado entre os titulares nos primeiros treinos de 2015




Jobson ainda não foi testado entre os titulares pelo técnico René
 Simões e larga atrás por vaga no Bota 2015 (Foto: Satiro Sodre)
Entre idas e vindas, Jobson soma quatro passagens pelo Botafogo. No clube, o atacante teve momentos marcantes, como a reta final do Campeonato Brasileiro de 2009, quando foi o responsável direito por livrar o Alvinegro do rebaixamento à Série B. A identificação, no entanto, não garante prestígio. Na atual temporada, há uma nova realidade: começa no fim da fila.

René Simões, nos primeiros treinos do ano, deixou claro que Jobson terá de ter paciência e esperar. Na última terça-feira, quando começou a esboçar o time para o Campeonato Carioca, o treinador formou o ataque titular com Rodrigo Pimpão e Bill. Ao longo da atividade, porém, outros jogadores receberam chances. Sassá, Murilo, Tássio, Henrique... Jobson foi o único atacante a não treinar entre os titulares.

A cena se repetiu na manhã de quinta-feira, em novo trabalho tático. Jobson iniciou a atividade formando o ataque da equipe reserva com Tássio. Minutos depois, no entanto, foi sacado do treino. Enquanto a maior parte do grupo trabalhava com René, Jobson treinava finalizações com outros poucos jogadores do outro lado do campo.

- Volto a dizer que o Botafogo não é clínica de reabilitação. Ele está sendo tratado como todos os outros jogadores. O Jobson vai ter que buscar o profissional que ele tem que ser. Ele não vai ter um tratamento especial. Nós vamos tratar todos os jogadores com profissionalismo, que é para todos - disse René Simões, nesta quinta, após oito dias de convivência com comandado.

Nos primeiros dias de preparação, Jobson não tem se deixado abalar pela situação. Bem-humorado, mantém sorriso no rosto e aparenta entrosamento com o restante do elenco. Nos intensos trabalhos físicos em Várzea das Moças, debaixo de um sol escaldante, mostra disposição e é um dos mais elogiados pelos preparadores físicos.

- Vamos, Jobson. Excelente. Essa é a hora do sacrifício - elogiou o preparador físico Marcello Campello, na última segunda.



O histórico de problemas extracampo é o que mais pesa contra o atacante. Não somente no Botafogo, mas também com o próprio René Simões. Emprestado ao Bahia em 2011, Jobson teve grandes atuações sob o comando do treinador, porém, acabou afastado por problemas disciplinares. René conviveu de perto com o talento do atleta, conhecendo, da mesma forma, o outro lado do jogador.

O prestígio de outrora com o torcedor alvinegro também já não é mais o mesmo. Na reta final do Campeonato Brasileiro, o atacante mostrou disposição e lutou para evitar o rebaixamento. A velocidade e o poder de decisão, no entanto, não foram os mesmos de passagens anteriores. O pênalti isolado na derrota para o Figueirense ,em novembro, irritou boa parte da torcida. O lance afundou ainda mais o Botafogo e causou a ira do então técnico Vagner Mancini.


Por Marcelo Baltar Rio de Janeiro/GE