domingo, 22 de março de 2015

Renan incorpora Jefferson, e Sassá dá vitória ao Bota contra Cabofriense


Com 1 a 0 em Macaé, Alvinegro assume temporariamente o primeiro lugar do Carioca. Torce para que Vasco não vença Flamengo para terminar rodada na ponta


Renan atrás, Sassá na frente. E uma boa pitada de sorte. Foi assim que o Botafogo venceu a Cabofriense, neste domingo, em Macaé, e assumiu temporariamente a liderança do Carioca. O 1 a 0, para ficar perfeito, precisa de um resultado paralelo para manter o Alvinegro, ao final da rodada, como o melhor time do estadual.

Com cinco defesas, Renan foi personagem. Incorporou Jefferson. Sassá saiu do banco para dar o gol da vitória. A superação fechou a conta pois, desde os 26 minutos do segundo tempo, o Alvinegro atuou com um a menos. Assim, com 28 pontos, o Bota retomou a liderança. Ficará nela caso o Vasco não vença o Flamengo, a partir das 18h30, no Maracanã. A Cabofriense, com oito pontos, está em 11º lugar.

Na quarta-feira, no Raulino de Oliveira, às 19h30 (de Brasília), o Botafogo desafia o Barra Mansa. A Cabofriense, no dia seguinte, mesmo horário, encara o Fluminense no Maracanã. 
 
Em Macaé, o Botafogo superou a Cabofriense por 1 a 0 e retomou a liderança (Foto: Andreia Maciel/Divulgação)

Gol e saída

Nem pareceu que Jefferson está à serviço da Seleção e desfalcou o Botafogo. E muito menos que Renan não atuava há quase dez meses – entrara em campo pela última vez em 1º de junho, no 1 a 1 com o Corinthians pelo Brasileirão 2014. Com cinco defesas, o goleiro foi o destaque do primeiro tempo. Evitou que a superioridade do adversário se transformasse em gols , ou melhor, goleada. Arthur e Gilcimar, duas vezes cada, e Marcinho viram o camisa 1 ser ágil e preciso nas intervenções. Apático e sem jogadas tramadas, dependendo de individualidades, o Bota só ameaçou em chutes de Jobson e Fernandes, este na trave.

Sassá no lugar de Tomas foi a troca feita por René Simões para tentar mudar o rumo da partida. Surtiu efeito: a disputa ficou equilibrada. Em passe de Sassá, Tássio, livre, avançou, mas finalizou sem direção. Jobson, impedido, fez gol que não valeu. O validado foi um lindo, de Sassá. Lançado por Gilberto, Sassá teve a sorte de contar com o espaço deixado por Vladimir, vítima de bolada no rosto, avançou e fuzilou, sem chance a Rafael: 1 a 0 aos 21 minutos. Pois ele sentiu lesão muscular e precisou deixar o campo. Eram 36. O Bota ficou com um a menos pois René Simões havia feito as três trocas. Gilberto, mancando, se manteve em campo para fazer número. O Bota administrou a vantagem e garantiu o resultado.

Por GloboEsporte.com Rio de Janeiro/GE