segunda-feira, 18 de maio de 2015

Com "time difícil de ser batido", sub-17 do Bota está perto de título inédito


Treinador Felipe Conceição e capitão Zyan avaliam campanha do Alvinegro e destacam ansiedade antes da decisão contra o Vitória nesta terça, no Engenhão



Felipe e Zyan assinaram o mural dedicado aos nomes
 que marcaram o Botafogo (Foto: Igor Rodrigues)
"Pode falar a verdade, não vou barrar ele agora (risos). Depois, talvez. Agora, tudo tranquilo (risos)."

Foram essas as palavras bem humoradas do jovem treinador Felipe Conceição ao zagueiro Zyan, capitão da equipe sub-17 do Botafogo. Aos 35 anos, o ex-jogador revelado no clube no fim da década de 90 - ainda sob a alcunha de Felipe "Tigrão" - tem a missão de levar os garotos ao primeiro título nacional do Alvinegro na categoria. Nos momentos que antecedem o jogo decisivo do time na Copa do Brasil, oGloboEsporte.com reuniu os dois personagens na loja oficial do clube, na sede de General Severiano. Entre agradecimentos, sorrisos e demonstrações de cumplicidade, a ansiedade pela conquista inédita se fez presente. O Alvinegro encara o Vitória, nesta terça-feira, às 16h30, no Engenhão, com uma bela vantagem após vencer fora de casa pelo placar de 3 a 1.

Para atingir o objetivo traçado no início do ano, o capitão de 16 anos, mas com cabeça de gente grande, destaca três pontos essenciais: respeito ao adversário, confiança no trabalho e concentração até o último minuto.

- A gente comentou que esse seria o nosso ano, que brigaríamos por todos os campeonatos. A Copa do Brasil é prova disso. É uma visibilidade grande, até interna. No Botafogo, os profissionais, juniores, estão todos vendo a competição. É um grupo que talvez eu não trabalhe mais na vida. Um grupo único, difícil de ser batido e que vai fazer falta na frente. O que pesa mais é a relação interna na base. A gente se preparou para esse dia, para os 180 minutos. Estamos confiantes demais para conquistar o título, sabemos da dificuldade, mas vamos lutar até o final para atingir nosso objetivo - afirmou Zyan.

A HORA DA TORCIDA

Jogar dentro de casa é fator importante dentro de um campeonato de mata-mata. Porém, foi longe do Rio de Janeiro que o Botafogo deixou os adversários pelo caminho. Dos 19 gols marcados – 13 pelo artilheiro Luis Henrique -, 13 foram como visitante. Após vencer o Vitória jogando na Bahia e sem mais compromissos fora de casa, o técnico Felipe revela qual o segredo do sucesso em ambientes “hostis”:

- Procuramos jogar o mesmo futebol dentro e fora de casa. Eu nunca pedi para eles fazerem algo diferente. Talvez seja o adversário que joga no Rio mais fechado, mais preocupado e, em casa, quer atacar. Então, o normal é se expor mais. E fazer isso contra esse time do Botafogo é complicado, temos um ataque muito forte. Quando o adversário desequilibra, nós aproveitamos. Não temos feitos jogos ruins em casa, mas aqui se fecham mais. Estou falando isso porque não jogamos mais fora de casa, por isso estou entregando o motivo da gente fazer tantos gols fora (risos).

Time que pode conquistar o título inédito (Foto: Satiro Sodré/SSPress)
Com a decisão marcada para o Engenhão, Zyan fez questão de convocar a torcida para apoiar, motivar os jogadores e, caso tudo dê certo para o Botafogo, comemorar ao fim da partida:

- Desde o início do campeonato nós estamos convocando a torcida, o departamento de marketing aderiu fazendo postagens, chamando os torcedores. Independentemente do número de torcedores, vamos fazer o nosso, mas estamos contando com um público grande. Após o primeiro jogo, nas redes sociais eles estão falando muito, as torcidas organizadas dando apoio. Estarão presentes para nos motivar e nos fazer acreditar no título.

TROCA DE ELOGIOS E PROJEÇÃO

Na hora de avaliar o trabalho do grupo, Felipe e Zyan trocaram elogios. Para o capitão, o trabalho do "paizão" foi determinante para que o grupo chegasse ao atual momento da temporada com a oportunidade de levantar a taça. Há dois anos no comando da equipe, Felipe ganhou o respeito dos jogadores e é visto como um dos principais fatores para o bom desempenho da equipe dentro de campo.

A gente se preparou para esse dia, para os 180 minutos. Estamos confiantes demais para conquistar o título.
Zyan, capitão do Botafogo sub-17

- Se estamos na final é muito por causa dele. Ele trouxe, desde o sub-15, a parte tática e coisas ainda mais importantes para a formação como pessoa. Ele fecha com a gente. É muito estudioso, depois de cada jogo ele mostra os nossos erros, vê o jogo mil vezes (risos) e faz com que joguemos esse futebol tão bonito. É o paizão, e o que cobra mais. Faz de tudo (risos). É o pai porque cobra, dá esporro, ajuda, conversa, ensina o caminho certo - afirmou Zyan.

As palavras do garoto arrancaram sorrisos de Felipe, que não deixou de brincar com o zagueiro, mas também elogiou o futebol e a liderança do capitão. De acordo com o comandante alvinegro, os torcedores do Botafogo terão um grande atuando entre os profissionais no futuro.

- Com essas palavras ele vai continuar sendo o capitão até o final do ano (risos). Brincadeira, é tudo uma troca. Não é o Felipe que é assim, os meninos me dão de volta, uma troca de respeito, de ensinamentos. Eu vejo o atleta como um todo, não apenas dentro de campo. O Zyan é um jogador completo. Taticamente inteligente; tecnicamente, na função dele, muito bom; fisicamente bem dotado, rápido; e mentalmente, forte. Ele dá exemplo, e tem que dar, por ser o capitão, por isso foi o escolhido. Temos um líder em todas as áreas. Esse garoto tem um futuro enorme pela frente. Se for cuidado com carinho até o profissional dará alegrias ao torcedor do Botafogo - completou o treinador. 

Felipe Conceição deixou o nome marcado ao lado de Túlio Maravilha (Foto: Igor Rodrigues)
CAMPANHA

1ª Fase:

Botafogo 1 x 1 Atlético-PR
Atlético- PR 0 x 2 Botafogo

2ª Fase:

Botafogo 1 x 1 Grêmio
Grêmio 0 x 1 Botafogo

3ª Fase:

Fluminense 1 x 3 Botafogo
Botafogo 4 x 4 Fluminense

Semifinal:

Botafogo 0 x 1 América-MG
América-MG 0 x 4 Botafogo

Final:

Vitória 1 x 3 Botafogo (jogo de ida)


Por Igor Rodrigues*Rio de Janeiro/GE
*Estagiário, sob supervisão de Emiliano Tolivia.