terça-feira, 16 de junho de 2015

Botafogo venceu guerra contra Porta dos Fundos, mas cobra multa de R$ 10 mi


Reprodução

O polêmico vídeo do 'Porta dos Fundos', canal de sucesso no Youtube, satirizando os patrocínios pontuais do Botafogo, foi parar na Justiça. O Alvinegro levou a melhor e conseguiu retirar a mídia do ar devido ao uso indevido da marca. A história, no entanto, está longe do fim. O clube seguirá com o processo e cobra R$ 10 milhões, valor calculado com base no que é pedido ao negociar um patrocínio.

A retirada do vídeo, de acordo com o Botafogo, era apenas a primeira parte de um acordo e evitou que a empresa fosse multada diariamente caso a mídia fosse mantida. O Porta dos Fundos entendeu a irritação do Alvinegro e removeu o filme. Procurado pelo UOL Esporte, o canal de humor preferiu não se posicionar, já que ainda não sabe quais serão os próximos passos a serem tomados.

"O Botafogo se dá por satisfeito em parte. Esse era um dos pedidos do nosso processo: retirada imediata do ar, pois representava uso indevido da marca do clube. O Porta dos Fundos mostrou ao menos um ato de responsabilidade e o retirou. Dessa data em diante não corre mais risco de ser multado em R$ 100 mil por dia. Foram cautelosos e tiraram", disse o vice jurídico do Botafogo, Domingos Fleury.

"A batalha judicial só está começando. Vamos cobrar R$ 10 milhões pela exposição indevida da marca. Não aceitamos a utilização indevida sem a composição financeira que julgamos merecida. Ambos já responderam às notificações. Flamengo se fez de desentendido e disse que não sabia que seria usado marca do Botafogo, que somente alugou o campo. Já o Porta dos Fundos, afirmou que retiraria a mídia do ar", completou o dirigente do Alvinegro ao UOL Esporte.

A quantia de R$ 10 milhões assusta e o Botafogo explica. Ao expor a marca do clube, sem a autorização, o Porta dos Fundos se usa da imagem do Alvinegro, como se fosse um 'patrocínio indevido'. E é justamente pelos valores comerciais que o departamento jurídico de General Severiano chegou ao número.

"Esse valor foi calculado pelo valor de um possível patrocínio que o time pudesse receber. Aceitaríamos um montante desse. Pela exposição da marca, fizemos esse raciocínio. Durante o processo esse valor pode até aumentar a indenização se provarmos quanto representa a exposição das mídias", explicou Fleury.

"Ninguém pode usar a marca do Botafogo indevidamente. Para que serve a marca? Para que serve o direito que reservamos no Instituto Nacional da Propriedade Intelectual? Podem não concordar com o valor que pedimos, mas que houve o ato ilícito, houve. Tanto que tiraram o vídeo do ar", acrescentou.

Tanto Flamengo como Porta dos Fundos responderam às notificações do Botafogo. A empresa se limitou apenas a confirmar a retirada do vídeo, enquanto o Rubro-negro afirmou não saber de nada até que a mídia estivesse no ar. O Alvinegro aceita até um acordo financeiro, mas a probabilidade é que tudo se resolva na Justiça.

Bernardo Gentile
Do UOL, no Rio de Janeiro