domingo, 29 de novembro de 2015

Reunião não acontece, paciência com Arão se esgota, e Bota vai à Justiça


Pai do jogador havia se comprometido a se encontrar com diretoria neste domingo não aparece, e Alvinegro ingressará com ação no TRT-RJ nesta segunda-feira




A batalha entre Willian Arão e Botafogo foi oficializada. Flávio Arão, pai e empresário do jogador, havia marcado um encontro com o vice de futebol, Antônio Carlos Azevedo, na tarde deste domingo, mas não entrou em contato. O fato irritou a diretoria alvinegra, que decidiu levar o caso à Justiça. Providências serão tomadas nesta segunda-feira contra o jogador, que está apalavrado com Flamengo. .


O GloboEsporte.com tentou contado, neste domingo, com Flávio Arão, mas também não conseguiu falar com o empresário. Ele está no Rio de Janeiro desde a noite de sexta-feira. A expectativa era que o encontro ocorresse no sábado, mas foi transferido para domingo. Durante todo o dia, Antônio Carlos Azevedo, o Cacá, aguardou uma ligação do empresário. 

Willan Arão: Botafogo vai à Justiça contra o jogador (Foto: Vitor Silva / SSPress / Botafogo)
O Botafogo também buscou contato com o empresário, mas não teve sucesso. No final da tarde, o clube se cansou de esperar e decidiu que vai ingressar na Justiça contra o jogador, nesta segunda-feira.


- Ele havia combinado um encontro com o Cacá, neste domingo, mas não apareceu durante todo o dia. Ele (Flávio Arão) pode até aparecer, mas está decidido: nós vamos à Justiça nesta segunda-feira - afirmou o vice jurídico do Botafogo, Domingos Fleury.


O Botafogo vai ingressar com uma ação no Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (TRT-RJ). O clube ainda vai depositar em juízo os R$ 400 mil previstos na cláusula de renovação automática prevista no contrato de Willian Arão.


O presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, criticou a postura do jogador e de Flávio Arão, reiterou que o Botafogo não vai facilitar a liberação e vai buscar seus direitos na Justiça;


- Não tem surpresa alguma. A postura do pai dele (Flávio Arão), nesse tempo todo, vem sendo assim. Acho que ele queria apenas ganhar tempo, mas agora está vendo que o Botafogo é de verdade. Eles vão ter que cumprir o que assinaram – frisou o presidente Carlos Eduardo Pereira.


Arão devolve dinheiro e é xingado pela torcida

Neste sábado, Willian Arão não foi ao jogo do Botafogo contra o América-MG, no Estádio Nilton Santos. Apesar da ausência, o jogador foi vaiado e xingado pelos alvinegros, antes e durante a partida.


- Arão, vai se f..., o Botafogo não precisa de você.

A ira alvinegra se dá por conta da atitude do jogador de devolver o dinheiro depositado pelo Botafogo na última sexta. Por contrato, o clube assegura renovação com o atleta por mais dois anos, mediante a pagamento de R$ 400 mil. Horas depois de receber o dinheiro, Arão, apalavrado com o Flamengo, devolveu o valor aos cofres alvinegros.

Com o depósito em juízo, o clube espera adquirir mais 20% dos direitos econômicos do volante - totalizando 70%, uma vez que 50% já haviam sido estabelecidos no primeiro contrato. O valor da multa rescisória passa a ser de R$ 20 milhões. O fato de Willian Arão ter devolvido o dinheiro, no entanto, não muda em nada a situação, na opinião do Botafogo. 

Willian Arão marcou o gol do título contra o ABC. Jogo pode ter sido seu último pelo Botafogo (Foto: Vitor Silva / SSPress / Botafogo)

O pagamento em juízo, no entanto, não significa que a novela teve seu capítulo final. Flávio Arão e o Flamengo questionam a legalidade da cláusula. Com a nova regulamentação da Fifa, desde o dia 1º de maio a entidade exige que os clubes sejam donos de 100% dos direitos econômicos dos atletas. No caso de Arão, Botafogo e jogador dividem, com 50% cada.

O Botafogo, no entanto, tem outra visão jurídica do caso. O clube confia na legalidade da cláusula, uma vez que o contrato com Willian Arão foi assinado em janeiro, antes da nova regulamentação da Fifa entrar em vigor. A regra não tem efeito retroativo, e o contrato está registrado na CBF e na Federação Carioca.

Willian Arão está apalavrado com o Flamengo, que oferece R$ 150 mil mensais ao jogador. Com a concorrência, o Botafogo aumentou a oferta e acena com R$ 130 mil.

 

Por Jessica Mello e Marcelo BaltarRio de Janeiro/GE