sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Com Salgueiro, Bota refaz elo histórico com o Uruguai de 634 jogos e 5 títulos


Ao todo, 22 uruguaios já defenderam Alvinegro desde 1918, e seis foram campeões. Empresário das recentes contratações elogia: "Clube gosta muito de nossos atletas"





Após dois argentinos e um boliviano, pintou um uruguaio no Botafogo. E Juan Salgueiro chegou ciente da responsabilidade. Em suas primeiras palavras após desembarcar no Rio de Janeiro para assinar contrato, o atacante de 32 anos destacou o bom retrospecto de seus compatriotas por seu novo clube. O jogador será o 23º de seu país a defender o Alvinegro na categoria profissional, da qual seis já foram campeões (confira na tabela abaixo). Da lista, que começa em 1918 e tem nomes como por exemplo Hugo de León, Fernando Alvez, Franquito e Lodeiro, são 634 jogos oficiais e cinco títulos, segundo dados dos historiadores Eduardo Santos e Pedro Varanda: Cariocas de 1989, 2010 e 2013, além do Brasileiro de 1995 e da Série B de 2015.







Camisa lançada pelo Botafogo em julho de 2010 em
homenagem à seleção uruguaia (Foto: Divulgação)
Quem mais fez sucesso por enquanto foi Loco Abreu, a ponto de a diretoria criar um uniforme comemorativo do Botafogo em homenagem à seleção uruguaia durante a Copa do Mundo de 2010. O atacante pode servir de inspiração para o novo uruguaio de General Severiano. Ele balançou as redes 63 vezes e é o segundo jogador estrangeiro com mais gols pelo clube, só atrás do argentino Rodolfo Fischer, que tem 68. Salgueiro, por sua vez, nas últimas três temporadas fez 22, sendo 19 pelo paraguaio Olimpia e três com o mexicano Toluca.


Na lista dos pesquisadores constam nomes contratados que acabaram não jogando oficialmente pelo Botafogo, casos de Bazallo, barrado por opção técnica; Artigas, dispensado após constatação de problemas nos exames médicos; e Berascochéa; veterano que na época preferiu jogar apenas pelo time aspirante do Alvinegro. Por outro lado, na relação não aparecem os reforços que chegaram para as categorias de base, casos do atacante Matías Tellechea e do meia Marcelo Martínez, que acabaram deixando o clube antes de subirem para o profissional.



EMPRESÁRIO URUGUAIO INTERMEDIOU ÚLTIMOS REFORÇOS

O principal responsável por reatar este elo entre Botafogo e Uruguai nos últimos anos é Gerardo Cano, empresário uruguaio que representa Salgueiro e intermediou as cinco contratações anteriores de jogadores de seu país pelo Alvinegro: Navarro, Bazallo, Mario Risso, Lodeiro e Marcelo Martínez. O agente, que ainda é próximo de Loco Abreu, começou a negociar com o clube ainda na gestão de Maurício Assumpção e também estreitou laços com a atual diretoria.

Gerardo Cano usa imagem com casaco do Botafogo
na foto do perfil no WhatsApp (Foto: Arquivo Pessoal)
- Eu comecei a negociar na época do Anderson Barros (ex-gerente de futebol) trazendo o Lodeiro. Ele estava voltando do Ajax, da Holanda, e entre três propostas de clubes do Brasil escolhi a do Botafogo porque tinha chegado o Seedorf e com certeza iriam montar uma equipe forte como foi. Aí começou um diálogo direto com o clube, graças a Deus existe até hoje uma grande confiança entre nós - explicou.


A relação com o Botafogo se tornou mais do que profissional. Gerardo admite que passou a ter um carinho pelo clube no Brasil e em sua própria foto de perfil no WhatsApp aparece vestindo um casaco com o escudo do time. Para comprovar o vínculo entre as partes, o empresário garantiu que trabalhou "de graça" na contratação do Navarro e alegou que o Alvinegro está com maior visibilidade atualmente no Uruguai do que na época em que tinha o ídolo Loco Abreu.


- Minha relação com o Botafogo ficou não de negócios, e sim de carinho. Posso assegurar que na vinda do Navarro eu não cobrei nada para trazê-lo, meu trabalho foi de graça naquele momento. No Uruguai, o Botafogo é considerado pelas torcidas como um dos quatro ou cinco times mais importantes do Brasil. Foi muito importante para o Botafogo ser ainda mais reconhecido do que era quando o Loco Abreu chegou, e todo o Uruguai falava sobre o Botafogo. Além disso, depois chegaram Arévalo, Lodeiro, Navarro e outros que fizeram ver que o clube gosta muito de nossos atletas e dava muito orgulho a todos nós uruguaios.


Por Thiago Lima/Rio de Janeiro/GE