segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Jornalista analisa sucesso de Jair no Bota: "Não é um elemento estranho"


Carlos Eduardo Mansur ressalta trajetória longa do treinador no clube alvinegro, onde soma cinco vitórias em seis jogos no Brasileiro desde que foi efetivado no cargo



Ricardo Gomes trocou o Botafogo pelo São Paulo no dia 12 de agosto, mas o clube carioca não ficou 24 horas sem comando técnico. No dia seguinte, adiretoria alvinegra anunciou a efetivação do então auxiliar permanente Jair Ventura. Na ocasião, o Botafogo era o 17° colocado, com 20 pontos. Seis jogos depois, a equipe é a oitava colocada com 35 pontos. Qual o segredo de Jair Ventura? Para o jornalista Carlos Eduardo Mansur, de O Globo, o conhecimento do treinador, há oito anos no clube, explica o sucesso imediato.


- Óbvio que tem mérito, o aproveitamento é impressionante, agora, é diferente da chegada de um treinador absolutamente estranho àquele ambiente e o aproveitamento do Jair Ventura, são dois mundos diferentes. Ele fez coisas ontem no jogo, como o uso de dois laterais esquerdos de origem compondo o lado esquerdo, com o Victor Luís e o Diogo Barbosa um pouco mais à frente, e com a improvisação do zagueiro Emerson como lateral-direito, que só poderia fazer quem está há muito tempo no clube. Viu alguns desses jogadores crescerem dentro do clube, outros desde que chegaram, e conhece intimamente as características. Ele vem trabalhando com esse elenco, e trabalhava junto ao Ricardo Gomes, há muito tempo, não é um elemento estranho que caiu de paraquedas e passou por processo de conhecimento do elenco. (Foi) uma mudança de função, ele passa a ser o comandante. Teve o mérito de fazer os jogadores acreditarem nele como cabeça do processo a partir de agora. Algumas providências de time que ele tomou só foram possíveis porque ele já estava integrado àquele ambiente e conhecia as características dos jogadores.


Jair Ventura comandou o time em seis
jogos do Bota no Brasileiro (Vitor Silva
 / SSpress / Botafogo)
Jair Ventura estreou no comando do time na última rodada do primeiro turno do Brasileiro, justamente diante do São Paulo, e viu o time vencer por 1 a 0 no Morumbi. Até aqui, o técnico comandou a equipe em seis jogos, com cinco vitórias e uma derrota, com um aproveitamento de 83,3%. Jair, de 37 anos, foi efetivado, segundo a diretoria, por convicção, e não por falta de opção no mercado.


Mansur relembrou uma conversa com o presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, ainda antes do início do Campeonato Brasileiro, quando o dirigente admitiu não poder externar a briga real do clube: a luta contra o rebaixamento. Hoje, o cenário é diferente.


- Me lembro que estava falando com o presidente do Botafogo por telefone, antes de o campeonato começar, e em dado momento falei: “Presidente, é natural que o Botafogo, no estágio de clube que está, com o nível de receita, com dificuldade de reconstruir o clube, faça um campeonato para não cair, não seria vergonha nenhum". Mas ele disse: "Nunca vou poder dizer isso, tenho que bancar que o Botafogo vai brigar lá em cima, vai brigar o mais alto possível". É um pouco de discurso externo, só que na verdade o Botafogo está na tabela numa distância para o G-4 - embora ache que o Botafogo dificilmente termine no G4 - que é praticamente a mesma que quem está para baixo.


O Botafogo volta a campo na próxima quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), para enfrentar o Santos, no Luso-Brasileiro, pela 25ª rodada do Brasileiro.


Fonte: GE/Por SporTV.com/Rio de Janeiro