terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Botafogo espera definir técnico e diretor para repatriar Loco Abreu


Decidido pelas saídas de Vagner Mancini e Wilson Gottardo, clube discute via email prós e contras do retorno de atacante uruguaio ao clube




Volta de Loco Abreu é discutida internamente no
 Botafogo (Foto: globoesporte.com)
Loco Abreu é quase uma unanimidade na torcida do Botafogo. Mas quando se trata de sua volta ao clube, é uma questão que divide opiniões. Desde esta terça-feira o atacante uruguaio é assunto de troca de emails entre integrantes da nova diretoria, mas os primeiros contatos ainda não foram feitos. O clube pretende em primeiro lugar acertar os nomes do treinador e do diretor de futebol, já que foi decidido pelas saídas de Vagner Mancini e Wilson Gottardo. O comunicado oficial sobre as dispensas deverá ser feito até o fim desta semana.

A maior parte dos dirigentes alvinegros quer a volta de Loco Abreu. O departamento de comunicação e marketing mostrou entusiasmo com a possibilidade. O ídolo é visto como personagem determinante para recuperar a autoestima da torcida após o rebaixamento. Além disso, o retorno facilitaria a composição da dívida financeira do clube com o uruguaio. Outra corrente mostra algum receio, já que em outubro o camisa 13 completou 38 anos.

No segundo turno do Campeonato Brasileiro o Botafogo tentou repatriar Loco Abreu. Mas o uruguaio declinou do convite alegando já ter assumido o compromisso de permanecer no Rosario Central, da Argentina, até o fim de 2014. Com o encerramento do vínculo a negociação neste momento seria facilitada, já que o atacante não esconde o desejo de retornar ao clube pelo qual atuou de 2010 a 2012.

Mas em relação a uma questão há consenso. Antes de chegarem os reforços, o Botafogo precisa definir quem serão os responsáveis por gerenciá-los e treiná-los. Em relação ao executivo do futebol, o mais falado é o de Anderson Barros, que trabalhou no Alvinegro de 2009 e 2012. Seu contrato com o Coritiba termina em 31 de dezembro e sua situação é instável por conta das eleições presidenciais no clube paranaense. Ele ainda não foi contactado pelos alvinegros, mas é visto como o nome ideal por alguns dos dirigentes.

- Vejo o Anderson como o perfil ideal para tocar esse projeto. No Botafogo ele mostrou ser um ótimo disciplinador, algo que entendemos ser fundamental nesse momento. Mas a questão ainda será melhor discutida internamente - explicou um integrante da diretoria que conviveu com Anderson Barros em seu início de trabalho no Botafogo.

Em relação ao treinador, nomes vêm sendo estudados, mas desde já o Botafogo tem traçado o perfil pretendido: alguém que chegue com a consciência de que não poderá contar com contratações de impacto ou peso econômico, já que o ano de 2015 será de grandes dificuldades financeiras.

Por Gustavo Rotstein Rio de Janeiro/GE