segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Botafogo usou empréstimo para pagar família de Assumpção em outubro



BASTIDORES FC

por Martín Fernandez




O polêmico empréstimo de R$ 3 milhões que o Botafogo pegou em outubro com um trio de empresários paulistas vai dar muito pano pra manga no clube. É grande a irritação da nova diretoria com a história - que quer entender porque o clube pagou um intermediário (e depois outro) na transação.

Mas não é maior do que a revolta dos chamados "terceirizados" do clube, que ganham como pessoa jurídica e têm até cinco meses de vencimentos atrasados. Isso porque eles descobriram que parte do dinheiro foi usada para pagar a rescisão de demitidos - como o ex-gerente de futebol Sidnei Loureiro. E outra parte serviu para pagar a Romar, empresa ligada ao presidente Maurício Assumpção. Nada menos que R$ 300 mil do empréstimo serviram para pagar comissões da Romar.