quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Botafogo se irrita com postura e promete briga dura por ex-Corinthians




Satiro Sodre/SSPress
Willian Arão chegou ao Botafogo em baixa na carreira. Após fazer parte do grupo campeão mundial com o Corinthians, em 2012, o jogador não conseguiu render o esperado e passou a ser emprestado. Passou por Portuguesa, Chapecoense e Atlético-GO até chegar ao Rio de Janeiro. Somente no clube de General Severiano é que o futebol reapareceu. O que poderia ser o início de uma relação duradoura, pode se transformar em uma verdadeira guerra.

O contrato de empréstimo, assinado por Willian Arão no início do ano, prevê renovação automática por mais uma temporada desde que o Botafogo pague a quantia de R$ 500 mil até dezembro. O Alvinegro não tem dúvida de que irá exercer esse direito. O problema é que o jogador e o pai dele, que cuida da carreira do filho, não parecem interessados em permanecer em 2015.

Após a boa temporada no Botafogo, a dupla considera o acordo inicial com o clube ruim e não teria a valorização merecida para o volante. Isso porque outros times já estão interessados em Willian Arão que receberia muito mais com uma transferência neste momento. Alheio ao assédio, o Alvinegro só pensa em fazer valer o contrato assinado.

A confusão criada pelo jogador no vestiário do Engenhão após vitória sobre o Paraná pegou muito mal com a diretoria. Willian Arão reclamou da forma como o bicho por um triunfo sobre o Vitória, no último sábado, foi paga. Em vez de débito em conta corrente, queria em dinheiro vivo. Para a cúpula do futebol, o ocorrido é uma forma de criar um clima pesado, impedindo a permanência em General Severiano.

O Botafogo, porém, não está disposto a ceder. Após o ato de indisciplina, Willian Arão foi advertido, mas não sofrerá qualquer tipo de punição mais pesada. O próprio volante veio a público negar qualquer problema com a diretoria e reiterou a vontade de ficar.

"Conversei com o presidente sobre o que aconteceu, e ele me disse que o que tinha chegado até ele era uma versão diferente. Acho que foi mais um mal-entendido do que qualquer outra coisa. Vamos esclarecer e vai ficar tudo bem. O importante é que o Botafogo é líder e vai subir", disse o jogador em entrevista ao site globoesporte.com.

"Não fico preocupado de o que aconteceu ontem se volte contra a mim. Sei que é difícil agradar a todos, mas sei do trabalho que estou fazendo, algo que a torcida reconhece. Se estivesse de corpo mole eu não estaria me doando em campo e tiraria o pé das divididas. Meu pai e eu nunca falamos que existia algo acertado com outro clube e sempre deixei claro que pretendo ficar no Botafogo. Não posso controlar as especulações, mas da minha boca nada foi dito", completou o volante.

Apesar do otimismo nas palavras, o fato é que Willian Arão e seu pai estão fazendo jogo duro para acertar a renovação contratual. O Botafogo deixa claro que não vai desistir do jogador e conta com o atleta para a próxima temporada. Uma verdadeira 'guerra fria' ainda sem previsão de fim. Cruzeiro e Flamengo acompanham o imbróglio de perto.


Bernardo Gentile
Do UOL, no Rio de Janeiro