domingo, 3 de janeiro de 2016

Bota acerta com Bruno Silva, da Ponte Preta, e volante se apresenta segunda


Jogador de 29 anos chega por empréstimo e vai disputar vaga com Lindoso e Larrea




Bruno Silva ao lado da família: volante chega ao Rio
nesta segunda após as férias (Foto: Reprodução)
No último dia das férias, o Botafogo acertou com mais um reforço: trata-se do volante Bruno Silva, que pertence à Ponte Preta e disputou o último Campeonato Brasileiro pela Chapecoense. Em rápido contato telefônico, o presidente alvinegro, Carlos Eduardo Pereira, confirmou a contratação, mas não deu detalhes da operação. A informação foi divulgada inicialmente pela Rádio Tupi. O jogador, de 29 anos, chega ao Rio de Janeiro nesta segunda-feira e vai se apresentar em General Severiano para realizar exames médicos. Ele deve assinar por empréstimo de um ano, mas ainda há detalhes a serem resolvidos, como por exemplo a situação na Macaca. Como seu contrato termina no fim de 2016, o clube paulista perderia o atleta de graça ao final do compromisso.


- Procede (a informação), ele vai se apresentar amanhã - confirmou o presidente.


Bruno Silva disputou 46 jogos em 2015, sendo 14 pela Ponte Preta no primeiro semestre e 32 pela Chapecoense no segundo. Além disso, marcou cinco gols, três pelo clube paulista e dois pelo catarinense, um deles sobre a própria Macaca, na vitória por 3 a 0 na Arena Condá, pela Copa Sul-Americana. O volante chega para disputar vaga de titular com Rodrigo Lindoso, que se firmou no final da temporada, e com o equatoriano Pedro Larrea, que tenta sua liberação judicial da LDU de Loja para assinar contrato.


Em 2015, Bruno Silva esteve perto de jogar no futebol carioca e quase jogou no Vasco. A contratação chegou a ser dada como 99,99% concretizada, faltando praticamente apenas a assinatura do contrato. A confiança em São Januário era grande por dois motivos: o acerto com o volante e a informação de que a Ponte Preta não criaria problemas para liberar o jogador. Mas o 0,01% restante foi suficiente para causar uma reviravolta nos rumos da negociação. Após colocar na balança os prós e os contras do empréstimo, a diretoria da Macaca recusou a oferta.


Por Jessica Mello e Thiago Lima/Rio de Janeiro/GE