domingo, 3 de janeiro de 2016

De olho nos gringos, Bota tenta junto à Ferj aumentar limite de estrangeiros


Enquanto CBF libera cinco jogadores de outros países, federação carioca permite só quatro. Estudando mais um reforço sul-americano, Alvinegro condiciona investimento






Os argentinos Joel Carli e Gervasio Núñez, o equatoriano Pedro Larrea e o boliviano Damián Lizio já estão acertados, mas o Botafogo não pretende parar por aí as investidas no mercado sul-americano. A diretoria alvinegra planeja buscar mais um jogador para fechar o pacote gringo da temporada, a questão é: quando fazer este investimento? A resposta vai vir da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj). Isto porque a entidade, em seu regulamento geral de competições, libera só a presença de quatro estrangeiros por partida. Na terça-feira, quando a federação voltar a funcionar após o recesso de fim de ano, o departamento jurídico do clube vai fazer uma consulta para tentar aumentar este limite para cinco atletas, número permitido pela CBF. O argumento será de que os filiados devem seguir a mesma linha da confederação.


Regulamentos CBF X Ferj:

CBF (Art. 40):"Os clubes poderão incluir nas súmulas de suas partidas até cinco atletas estrangeiros"

Ferj (Art. 44):"Os clubes poderão incluir na relação de jogo at é 4 atletas estrangeiros da categoria de profissionais"


Ambos os regulamentos falam apenas em números máximos de estrangeiros relacionados. Ou seja, o clube pode contratar e inscrever até mais gringos do que isso, desde que respeite o limite por partida. Mesmo assim, o Botafogo considera ser desperdício de dinheiro contratar outro jogador sem poder escalá-lo junto aos demais reforços sul-americanos. Por conta disto, a diretoria resolveu condicionar o investimento ao êxito da tentativa de mudança no artigo em questão da fórmula do Carioca, o que não deve ser fácil. Do contrário, a quinta e almejada contratação dos países vizinhos ficaria só para o Campeonato Brasileiro.

Da esquerda para a direita: Lizio, Larrea, Núñez e Carli, os gringos do Botafogo até agora (Foto: GloboEsporte.com)

A tendência é que o último reforço estrangeiro seja um atacante, posição que o clube prioriza no mercado. A diretoria tem recebido ofertas de empresários sul-americanos a torto e a direita, mas a maioria dos nomes é descartada ou sequer colocada em pauta. Foi assim com Ignacio "Nacho" Fernández, do Gimnasia La Plata, e a imprensa argentina noticiou uma suposta oferta do Botafogo de 3 milhões de dólares que não aconteceu. Por enquanto, as opções para o setor são Neilton, Luís Henrique, Sassá (no departamento médico) e Henrique Almeida, que retorna de empréstimo após uma grande temporada pelo Coritiba.

Por Thiago Lima Rio de Janeiro/GE