segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Lopes descarta loucuras, mas revela 13 reforços encaminhados no Botafogo


Novo coordenador de futebol é apresentado, promete novidades nos próximos dias e afirma que acerto com Jefferson está perto




Novo gerente de futebol, Antônio Lopes é apresentado no Engenhão
 e quer elevar a autoestima dos atletas (Foto: Marcelo Baltar)
Novo gerente de futebol, Antônio Lopes é apresentado no Engenhão e quer elevar a autoestima dos atletas (Foto: Marcelo Baltar)

Antônio Lopes foi apresentado oficialmente, nesta segunda-feira, como coordenador de futebol do Botafogo. O trabalho, no entanto, começou no fim do ano passado. Em sua primeira entrevista coletiva no clube, o dirigente anunciou que já tem 13 reforços encaminhados para temporada. Segundo Lopes, oito estão pelos exames médicos, enquanto outros cinco dependem de detalhes.Os anúncios, porém, só serão feitos quando os contratos estiverem assinados. E ele garantiu que a busca por jogadores continua.

- Temos alguns jogadores que realizam exames médicos hoje. Já temos oito jogadores quase certos. Preferimos esperar os exames médicos que serão realizados hoje e amanhã. Temos mais cinco em andamento, faltando pouco para acertar. Mas ainda vamos em busca de outros jogadores.

Entre os jogadores que dependem apenas da assinatura estão os zagueiros Alisson e Roger Carvalho, os meias Diego Jardel e Camacho (ex-Flamengo) e o atacante Rodrigo Pimpão. Os quatro realizarão exames médicos nesta segunda-feira e devem ser anunciados nos próximos dias. Lopes garantiu que o clube não cometerá loucuras na busca por reforços.

– O Botafogo não vai fazer loucuras na contratação de jogadores. Todos os grandes clubes do Rio de Janeiro estão com essa política. Estamos fazendo a montagem do elenco aproveitando jogadores das categorias de base. Serão oito jogadores da base. Vamos fazer essa mescla entre jovens e experientes. E vamos contratar jogadores com um perfil competitivo, dentro de uma faixa salarial. Está estabelecido um orçamento. O salário vai depender da qualidade do jogador. Alguns serão contratados dentro de uma limite, mas também teremos jogadores com salários acima. Tudo depende da qualidade.

Lopes ainda revelou que oito jogadores das categorias de base foram integrados ao grupo principal: Os laterais Gilberto e Jean, o zagueiro Igor Rabelo, os volantes Andreazzi e Fernandes, o meia Gegê e os atacantes Sassá e André.

Vice de futebol do Alvinegro, Mantuano recepcionou Antônio Lopes na tarde desta segunda-feira (Foto: Marcelo Baltar)

Confira os principais trechos da entrevista:

Orçamento apertado

O Botafogo não vai fazer loucuras na contratação de jogadores. Todos os grandes clubes do Rio de Janeiro estão com essa política. Estamos fazendo a montagem do elenco aproveitando jogadores das categorias de base. Serão oito jogadores da base. Vamos fazer essa mescla entre jovens e experientes. e Vamos contratar jogadores com um perfil competitivo, dentro de uma faixa salarial. Está estabelecido um orçamento. O salário vai depender da qualidade do jogador. Alguns serão contratados dentro de uma limitação, mas também teremos jogadores com salários acima. Tudo depende da qualidade.

Jefferson

Queremos ficar com o Jefferson. A comissão técnica quer, nós queremos, o presidente quer. O trabalho está sendo feito. Temos conversado muito com o Jefferson. Tenho quase certeza que ele ficará no Botafogo.

Série B
Temos três competições em 2015. O Estadual, a Copa do Brasil e a Série B. Certamente, a prioridade é a conquista do título brasileiro. Nosso foco é esse. Temos a obrigação de vencer a Série B para voltar à elite do futebol brasileiro. É claro que estamos pegando um Botafogo em baixo astral. Temos que resgatar o alto astral do grupo. A autoestima do time esta baixa. Essa é nossa primeira providência. Mas é claro que temos que buscar o título estadual, até para nos ajudar a resgatar essa confiança. A Copa do Brasil e o Campeonato Estadual também são importantíssimos

Grupo de 30 jogadores

Vamos trabalhar com mais ou menos 30 jogadores. Em caso de necessidade, podemos recorrer à base se precisarmos de mais jogadores.

Por Gustavo Rotstein e Marcelo Baltar Rio de Janeiro/GE