quinta-feira, 2 de julho de 2015

Bota não vai processar Adidas e Fla, e ação será contra "Porta dos Fundos"


Após rival carioca e empresa negarem qualquer participação na produção do vídeo "Patrocínio", clube confirma que acionará apenas grupo humorístico por danos morais






Flamengo e Adidas, por ora, não serão processados pelo Botafogo. O departamento jurídico do clube carioca definiu uma estratégia jurídica e ingressará na Justiça apenas contra o grupo humorístico "Porta dos Fundos". A ação se dá devido ao vídeo "Patrocínio", que ironiza a quantidade de patrocinadores pontuais no uniforme alvinegro. O conteúdo já foi retirado da internet. O Botafogo vai cobrar judicialmente danos morais pelo uso indevido de sua marca.

Segundo o Botafogo, Flamengo e Adidas se posicionaram e negaram qualquer participação financeira ou intelectual na produção do vídeo. A diretoria rubro-negra foi a primeira a se pronunciar e alegou apenas ter cedido o gramado da Gávea para a gravação. O Flamengo ainda se desculpou e afirmou que não estava ciente do conteúdo do vídeo.

Há cerca de 10 dias, a Adidas procurou o Botafogo e pediu um prazo para se posicionar em relação ao vídeo. Nesta semana, a empresa alemã de produtos esportivos garantiu ao clube que não teve qualquer participação na produção e responsabilizou integralmente o "Porta dos Fundos". Na época, chegou-se a cogitar que o material teria sido patrocinado pela Adidas, uma vez que "Patrocínio" foi ao ar na semana em que a marca lançou o novo uniforme rubro-negro.

- A Adidas se posicionou e responsabilizou totalmente o "Porta dos Fundos". Eles garantiram que não sabiam de nada. O Flamengo já havia se pronunciado. O "Porta dos Fundos" foi o único que confirmou o uso indevido da marca do Botafogo. Eles alegam que foi uma brincadeira e que estão respaldados pela constituição federal, mas não é bem assim. Nosso processo será então somente contra o "Porta dos Fundos". Se outras partes estiverem envolvidas, cabe a eles provar isso judicialmente - afirmou o vice jurídico do Botafogo, Domingos Fleury. 

Vídeo ironizou a quantidade de patrocínios pontuais no uniforme do Botafogo (Foto: Reprodução )
O Botafogo ingressará ainda neste mês na Justiça, mas ainda estuda o valor que será cobrado. Em um primeiro momento, em notificação enviada às três partes, o clube cobrou a quantia de R$ 10 milhões. O valor é baseado no preço mínimo cobrado por um patrocínio master. O Botafogo, porém, ainda realiza um estudo interno para definir a indenização que vai pleitear. O certo é que a conta não será barata.

O GloboEsporte.com entrou em contato com a assessoria do "Porta dos Fundos", que afirmou que o grupo não vai se posicionar sobre o assunto no momento.

Vídeo causou revolta em alvinegros


Quando o vídeo foi ao ar, no fim de maio, o presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, se mostrou revoltado com o conteúdo e provocou o Flamengo.

- Tenho formação em marketing e posso dizer que esse vídeo deve ter sido feito por um estagiário. É um absurdo usarem nossas cores e escudo sem a nossa autorização. Além disso, é a primeira vez que vejo o vice-campeão gozar do campeão. Foi amadorismo de estagiário. Para ficar bacana faltou o gol do Tomas (na vitória por 1 a 0 do Botafogo, no último encontro entre os rivais), e o Flamengo sofrendo para fazer um golzinho no Nova Iguaçu (na última rodada da Taça Guanabara). A Adidas não pode usar o símbolo do Botafogo sem a nossa autorização. Vamos buscar os nossos direitos. Achei o vídeo muito fraco. Choro de vice-campeão. Mas a gente entende a freguesia deles - ironizou o presidente do Botafogo.

Em delicada situação financeira, o Botafogo entrou em 2015 com a sua nova gestão buscando novas formas de colocar dinheiro nos combalidos cofres do clube. Sem patrocinadores fixos e com contratos a longo prazo, a diretoria vendeu espaços jogo a jogo e criou polêmica com anúncios varejistas.

O Botafogo começou a Série B do Brasileirão usando a imagem do "Sou Botafogo", seu programa de sócio-torcedor, no espaço reservado ao patrocinador master. O clube fechou com três empresas que vão expor suas marcas na camisa: a 99Taxis estampa a sua marca na parte inferior das costas e também no calção até o fim do ano; a Voxx Suplementos encontra-se nas mangas, em contrato renovado por três anos; e a Guaramix, na omoplata, até o fim de 2015.

Por Marcelo Baltar Rio de Janeiro/GE