sexta-feira, 31 de julho de 2015

Botafogo notificará Prefeitura por atraso no término das obras do Nilton Santos


Prazo para o fim das intervenções na cobertura do estádio acaba nesta sexta-feira, dia 31 de julho



Obras no estádio seguem a todo vapor
(Foto: Alexandre Loureiro/LANCE!Press)
A novela que tem como trama principal o Estádio Nilton Santos deveria terminar nesta sexta-feira. E com um final feliz para todos envolvidos na trama. Mas por uma demora na entrega dos capítulos finais, ela será estendida por mais algum tempo. O dia 31 de julho era a data limite para a Prefeitura do Rio de Janeiro finalizar as obras na cobertura do Estádio Nilton Santos, realizadas pelo Consórcio Engenhão (formado pelas construtoras Odebrecht e OAS), mas essa data terá que ser adiada mais uma vez, para insatisfação do Alvinegro.


Procurado pela reportagem do LANCE!, o presidente Carlos Eduardo Pereira garantiu que notificará a Prefeitura caso a obra não seja realmente entregue até o dia de hoje, o que é impossível de acontecer, tendo em vista o grande número de operários e máquinas que permanecem no estádio, no Engenho de Dentro.

– Da nossa parte, não haverá nenhum tipo de contato com eles. A responsabilidade da entrega é deles. Não temos ingerência nenhuma sobre isso. A obrigação deles é entregar o estádio amanhã (hoje). Caso realmente não finalizem as obras, vamos notificar a Prefeitura por escrito, informando que o acordo não foi cumprido. Todo o prejuízo está sendo computado – afirmou o mandatário do Glorioso, que preferiu não tentar acertar uma data para o fim das intervenções no Nilton Santos:

– Não controlamos a obra. Isso depende exclusivamente deles – completou Carlos Eduardo Pereira.

A RioUrbe informou que as obras se encontram em fase de conclusão e que a cobertura do estádio já começou a ser desmontada (leia abaixo). Já o Consórcio não se pronunciou.

Esta é a segunda vez que a data de entrega do estádio, que foi interditado em março de 2013 devido a um laudo mostrar que haviam problemas estruturais na cobertura, é alterada. Inicialmente, o Engenhão seria devolvido em novembro de 2014, mas já prevendo que não conseguiria entregar o local, a data foi adiada.

No dia 7 de fevereiro, o Botafogo voltou a jogar no estádio, após um hiato de quase dois anos, contra o Bonsucesso. Agora, precisa fazer a estreia sem máquinas e sujeira por perto. Quando isso acontecerá? Só a Prefeitura e o Consórcio sabem.


Divergências em relação à capacidade

Outro ponto polêmico entre o Botafogo e a Prefeitura, que é representada pela RioUrbe (Empresa Municipal de Urbanização), é a taxa de ocupação do Estádio Nilton Santos. De acordo com o órgão que fiscaliza o andamento das obras realizadas na Cidade Maravilhosa, a casa do Glorioso já tem o total de 32.347 assentos liberados para a torcida. Isso dá quase 75% da capacidade total do estádio, que é de 45 mil lugares.

Porém, a diretoria alvinegra contesta o número e se guia pelo laudo do Corpo de Bombeiros, que deixa o Botafogo colocar cerca de 25 mil torcedores por partida – número que é reduzido pelo próprio clube por medidas de segurança.

– Essa capacidade que a Riourbe fala não é a mesma que o Corpo de Bombeiros acha. Temos um alvará para vender cerca de 20 mil ingressos. Esse é o número real – afirmou o presidente Carlos Eduardo Pereira.

Para a partida de sábado, contra o Luverdense, pela Série B do Brasileiro, a capacidade total do estádio será de 25.034 torcedores.

Leia a Nota Oficial da Riourbe, enviada ao LANCE!:

"A Prefeitura do Rio de Janeiro, por meio da Riourbe, informa que as obras da cobertura do Estádio Olímpico João Havelange (atual Nilton Santos) encontram-se em fase de conclusão.

No último dia 20 de julho teve início o processo de desmontagem da obra da cobertura. Os macacos hidráulicos, aos poucos e por fases, começaram a baixar a estrutura. Na medida em que a cobertura se acomoda, projetistas avaliam as deformações e fazem cálculos para saber se está tudo ocorrendo dentro do previsto. Paralelo a isso, as 34 torres provisórias que sustentam a cobertura são retiradas gradualmente. Até agora um total de oito torres provisórias foram completamente retiradas. Esse trabalho é necessário para desmobilização da grande estrutura montada nas áreas internas e externas do estádio para as obras de reparo.

O Consórcio Engenhão já liberou ao Botafogo, desde o dia 30 de abril, o total de 32.347 assentos, ou seja, quase 75% da capacidade total do estádio que é de 45 mil lugares"


Luiz Gustavo Moreira -  LANCENET!