sábado, 25 de julho de 2015

Jair Ventura elogia jovens, mas admite gosto amargo: "Tivemos bola do jogo"


Treinador interino do Botafogo vê vitória na Fonte Nova escapar em cabeçada de Lulinha no fim e enaltece maturidade das crias da base: "Vão crescer como atleta




Os jogadores do Botafogo deixaram o campo da Fonte Nova satisfeitos com o empate por 1 a 1 com o Bahia, na tarde deste sábado, resultado que manteve o time na liderança da Série B do Campeonato Brasileiro. Mas o técnico interino Jair Ventura, apesar de valorizar o ponto conquistado fora de casa, admitiu ter ficado com um gosto amargo num duelo em que saiu na frente do placar, com gol de Luis Henrique, e teve uma ótima chance com Lulinha aos 31 minutos do segundo tempo (veja no vídeo acima). Para o comandante, aquela foi a bola do jogo.

Montagem do GE
- Ficou (um gosto de que dava para conseguir a vitória). Tivemos a bola do jogo, na cabeçada do Lulinha. Ele subiu sozinho, cabeceou por cima, uma fatalidade. Mas a equipe do Bahia vinha de seis jogos em casa e seis vitórias. Conseguimos quebrar esse tabu. Pontuar fora de casa é sempre bom. Foi um jogo com muita torcida, mas criamos chances. O Bahia veio muito ofensivo e por isso deixou a desejar um pouco na parte defensiva. Nós soubemos explorar isso. Voltamos com um ponto fora de casa e com o mais importante, que é a liderança do Botafogo - afirmou.

Se na estreia no comando da equipe, na vitória por 1 a 0 sobre o Náutico - Jair Ventura utilizou cinco jogadores crias da base alvinegra, desta vez o número subiu para seis. Entraram Jean (21 anos), Diérson (19 anos), Fernandes (20 anos), Gegê (21 anos), Octávio (21 anos) e Luis Henrique (17 anos). O treinador, que ainda fará mais uma partida à frente do Botafogo antes de passar a bola para Ricardo Gomes, elogiou a maturidade dos garotos.

- Foi importante. Jogamos mais uma vez com os garotos, que corresponderam. Parabéns para todos. São esses jogos que dão maturidade para os garotos. Eles vão crescer como atletas com esses jogos - analisou.

Com 28 pontos, o Botafogo viu a sua vantagem na liderança cair para um ponto e vai estar ameaçado na próxima rodada por Náutico e América-MG, ambos com 27, Vitória, com 26, além de Sampaio Corrêa e Bahia, dupla com 25. O Alvinegro volta a campo nesta terça-feira, às 21h50 (de Brasília), quando receberá o Criciúma no Estádio Nilton Santos.

Confira outros trechos da entrevista de Jair Ventura:

RICARDO GOMES
O ambiente no Botafogo é maravilhoso, temos excelentes profissionais. Nossos jogadores são muito obedientes taticamente e vão responder com certeza ao trabalho do Ricardo Gomes. Ele não vai ter problema algum no clube. Ainda não tive qualquer contato com ele, mas estou ansiosos. Já falei que estou feliz pela volta do homem, dele poder voltar a trabalhar depois do AVC.

TIME DEFENSIVO?
A semana de trabalho foi muito importante. Todo treinador precisa de um tempo para trabalhar. Nós tivemos essa semana inteira, trabalhamos muito essa movimentação, essas trocas constantes de posição. O Willian Arão joga assim (mais avançado), o Fernandes também chega à frente. No papel, que não tem a leitura, acha que é um time retranqueiro, que não vai atacar. Mas mostramos que o time foi ofensivo.

LIDERANÇA
É a motivação. O Botafogo está há muito tempo na liderança e não queremos sair de lá. A gente sabe que vai ser difícil. Mas o ponto fora hoje foi muito importante, e mais ainda a manutenção da liderança.

EXPERIÊNCIA NO CARGO

Está sendo muito bom. Sou funcionário do Botafogo há sete anos. Passei pelas categorias de base, mas lógico que no profissional é diferente. É bom poder estar ajudando a instituição. Estou muito feliz na minha função de auxiliar. E estou esperando o Ricardo.

Por Marcelo BaltarSalvador/GE