quarta-feira, 1 de julho de 2015

Ex-Fla ganhou R$ 70 mil por cada vez que entrou em campo pelo Botafogo



Vitor Silva / SSPress


Contratado para ser um dos pilares do Botafogo na volta à Libertadores após 18 anos. Essa era a missão de Airton ao assinar contrato com o clube de General Severiano, em janeiro de 2014. Isso, no entanto, jamais aconteceu. Fora de forma, o ex-volante do Flamengo não apareceu com a frequência esperada no time titular, apesar do alto salário: R$ 300 mil – metade paga pelo Alvinegro e a outra metade pelo Internacional.

O Botafogo pagou R$ 150 mil pelos 18 meses em que Airton ficou no Botafogo. Os R$ 2,7 milhões investidos no futebol do volante não tiveram o retorno esperado. Foram apenas 39 jogos pelo Alvinegro, o que significa R$ 70 mil para cada partida em que vestiu a camisa do clube de General Severiano.

O baixo número de jogos em 18 meses de Botafogo tem explicação. Além das muitas lesões, Airton mostrou problema em controlar o peso nestas situações, o que fazia com que precisasse frequentemente de preparação especial. Mesmo assim, ele era visto com certa esperança devido ao mau momento de Marcelo Mattos, muitas vezes lesionado.

O contrato de Airton chegou ao fim na última terça-feira e teve uma possível renovação foi discutida por algumas semanas. Existia a possibilidade da ampliação do vínculo, mas desde que o volante aceitasse uma redução salarial. Porém, a diretoria voltou atrás e decidiu por encerrar as negociações, valorizando os jovens atletas do elenco.

Além de Airton, o Botafogo também liberou Marcelo Mattos. O volante estava no Botafogo desde 2010 e tinha alto salário. A diretoria estava com dificuldade de manter os vencimentos em dia e chegou a um acordo para rescindir o documento e liberar o volante. Atualmente, o Alvinegro conta com Willian Arão, Andreazzi, Dierson e Diego Giaretta, improvisado, no setor.

Bernardo Gentile
Do UOL, no Rio de Janeiro