terça-feira, 4 de agosto de 2015

Botafogo também aciona Fifa para receber por Caio e Fellipe Bastos


No mesmo dia em que protocolou pedido por recursos da venda de Dória, Alvinegro solicitou reconhecimento de formador de jogadores vendidos para os Emirados



Caio nos tempos de Botafogo: clube tenta receber
 por transferência (Foto: Satiro Sodré / Agência Estado)
Nesta segunda-feira, o Botafogo anunciou ter dado início ao processo judicial junto à Fifa para receber do Olympique de Marselha o dinheiro pela venda do zagueiro Dória, em 2014. E, no mesmo momento, enviou à entidade ofícios para cobrar valores relativos ao direito de formação do volante Fellipe Bastos e do atacante Caio, recentemente negociados por Vasco e Internacional, respectivamente.

De acordo com as regras da Fifa, o clube formador tem direito a 5% do valor da negociação internacional. Assim, o Botafogo espera, por exemplo, receber US$ 350 mil (quase R$ 1,2 milhão) pela venda de Fellipe Bastos do Vasco para o Al Ain, dos Emirados Árabes, e valor semelhante pela transferência de Caio do Internacional para o Al Wasl, do mesmo país.

Fellipe Bastos começou no futsal do Botafogo e ficou até a categoria juvenil. Depois de disputar os Jogos Pan-Americanos de 2007, deixou o clube antes de assinar um contrato profissional. Após testes no PSV, da Holanda, foi contratado pelo Benfica, de Portugal. Em 2011 chegou por empréstimo ao Vasco, que no ano seguinte adquiriu seus direitos em definitivo. Em 2009, depois de outra ação junto à Fifa, o Alvinegro conseguiu receber € 154 mil (cerca de R$ 475 mil de acordo com o câmbio da época) pela transferência do volante para o clube português.

Já o atacante Caio chegou ao Botafogo para defender o time de juniores, em 2009, e no fim do mesmo ano foi promovido aos profissionais. Em 2013, o atacante, hoje com 24 anos, foi vendido ao Internacional, que em julho deste ano o negociou em definitivo com o Al Wasl.

Dinheiro por Pimpão


O Botafogo ainda aguarda para receber os US$ 500 mil (cerca de R$ 1,7 milhão) da multa rescisória pela venda de Rodrigo Pimpão ao Emirates Club, também dos Emirados Árabes. O clube, por enquanto, descarta ação na Fifa, já que os trâmites da transferência ainda não se encerraram.

- O Pimpão ainda não assinou a rescisão, e por isso o Botafogo não enviou os documentos internacionais necessários para concluir a transferência. Como acreditamos que haverá o entendimento com o clube dos Emirados, não será necessária ação junto à Fifa - explicou o vice jurídico do Botafogo, Domingos Fleury.


Por Gustavo Rotstein Rio de Janeiro/GE